CartaExpressa

Biden e Netanyahu discutem ‘pausas táticas’ em ataques de Israel contra Gaza

O objetivo seria ‘garantir que a ajuda chegue aos civis e permitir possíveis libertações de reféns’, segundo a Casa Branca

Joe Biden e Benjamin Netanyahu em Tel Aviv, em 18 de outubro de 2023. Foto: Brendan Smialowksi/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discutiu com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, a “possibilidade de pausas táticas” do Exército israelense na Faixa de Gaza para permitir que os civis palestinos fujam dos combates.

O ataque sem precedentes do Hamas contra Israel em 7 de outubro deixou cerca de 1.400 mortos. Desde então, o Estado israelense bombardeia Gaza e já matou mais de 10.000 pessoas, incluindo 4.000 crianças, segundo o Ministério da Saúde do enclave.

Durante uma conversa por telefone nesta segunda-feira 6, Biden e Netanyahu abordaram “a possibilidade de pausas táticas para dar aos civis oportunidades de sair de maneira segura das zonas de combate, garantir que a ajuda chegue aos civis que precisam e permitir possíveis libertações de reféns”, informou a Casa Branca em um comunicado.

Em termos mais incisivos, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, pediu nesta segunda um cessar-fogo imediato no conflito entre Israel e o Hamas e alertou que o incessante bombardeio contra a Faixa de Gaza transforma o enclave em um “cemitério de crianças”.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.