CartaExpressa

Não posso aceitar desculpas para brasileiros ainda estarem em Gaza, diz Celso Amorim

O terminal de Rafah reabriu nesta segunda para permitir a saída de estrangeiros e pessoas com dupla nacionalidade

Registro de mais um bombardeio israelense contra Rafah, na Faixa de Gaza, em 6 de novembro de 2023. Foto: Mohammed Abed/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-chanceler Celso Amorim, assessor da Presidência da República para assuntos internacionais, afirmou nesta segunda-feira 6 não ser possível aceitar “desculpas” para que os brasileiros ainda não consigam sair da Faixa de Gaza, em meio ao conflito entre Israel e Hamas.

Amorim disse, no entanto, ter confiança em uma promessa do chanceler israelense, Eli Cohen, de que os brasileiros serão liberados até a quarta-feira 8.

“Já faz muito tempo que estamos oferecendo essas listas. Não posso aceitar como desculpas essas dificuldades mais específicas”, disse o assessor à CNN Brasil. “Há mais de 10 dias que todos têm as listas. Não há razão para os brasileiros ainda não terem saído de lá.”

O terminal de Rafah, que liga a Faixa de Gaza ao Egito, reabriu nesta segunda para permitir a saída de estrangeiros e pessoas com dupla nacionalidade.

A passagem abriu durante três dias, na quarta, na quinta e na sexta-feira da semana passada, durante os quais saíram dezenas de palestinos feridos e centenas de pessoas com passaporte estrangeiro. Ela voltou a ser fechada após o bombardeio israelense contra um comboio de ambulâncias na cidade de Gaza.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar