Mundo

Passagem de fronteira com o Egito é reaberta para saída de estrangeiros de Gaza

Seis ambulâncias chegaram ao lado egípcio da passagem, levando palestinos feridos que serão transportados para hospitais

Registro de um ataque israelense a Rafah, na Faixa de Gaza, em 6 de novembro de 2023. Foto: Said Khatib/AFP
Apoie Siga-nos no

O terminal de Rafah, que liga a Faixa de Gaza ao Egito, reabriu nesta segunda-feira 6 para permitir a saída de estrangeiros e pessoas com dupla nacionalidade, bloqueadas no enclave palestino bombardeado de forma incessante por Israel desde o ataque do Hamas em 7 de outubro.

A passagem fronteiriça abriu durante três dias, na quarta, na quinta e na sexta-feira, durante os quais saíram dezenas de palestinos feridos e centenas de pessoas com passaporte estrangeiro.

Ela voltou a ser fechada após o bombardeio israelense contra um comboio de ambulâncias na cidade de Gaza. O Hamas impôs como condição para sua reabertura que ambulâncias pudessem transitar para Rafah.

Fontes do governo do Hamas disseram que a passagem foi reaberta depois de um acordo com Israel – mediado pelo Egito – para permitir a transferência de 30 feridos.

Seis ambulâncias chegaram ao lado egípcio da passagem, levando palestinos feridos que serão transportados para hospitais, informou à AFP uma autoridade no terminal.

A retirada dos cidadãos estrangeiros bloqueados no território também deve ser retomada hoje, acrescentou a mesma fonte, após ser suspensa no sábado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo