CartaExpressa

Avaliação de Lula piora no mercado financeiro, mas Haddad segue em alta entre os ‘faria limers’

Levantamento da Quaest com agentes do mercado financeiro mostra que o sentimento de que Haddad está ‘mais forte’ se comparado ao início do mandato cresceu

O presidente Lula (PT) e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Evaristo Sá/AFP e Diogo Zacarias/MF
Apoie Siga-nos no

A avaliação feita pelo mercado financeiro em relação ao governo Lula (PT) piorou. Por outro lado, agentes do mercado melhoraram as suas impressões positivas em relação ao trabalho do ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Os números estão na pesquisa Quaest, divulgada nesta quarta-feira 20, que consultou 101 fundos de investimentos, em São Paulo e no Rio de Janeiro, entre 14 e 19 de março.

Segundo o levantamento, a parcela que avalia negativamente a gestão Lula é de 64%, o que representa um aumento 12 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, divulgada em novembro do ano passado. 

Os que consideram o governo regular foram 30% (-9%), enquanto os que fazem uma avaliação positiva do governo ficaram em 6% (-3%).

Por outro lado, a avaliação positiva de Haddad, que estava em 43% na pesquisa de novembro, subiu para 50% no levantamento divulgado nesta quarta. Os que consideram o trabalho do ministro da Fazenda como regular somaram 38% (+5%). 

Já o percentual dos que consideram o trabalho dele como negativo caiu pela metade: 12% na pesquisa de hoje, contra 24% da pesquisa anterior. Destaque, também, para o dado que indicou que a maioria dos entrevistados (51%) acredita que Haddad, atualmente, está “mais forte que no começo do mandato”.

A pesquisa Quaest, conforme citado, ouviu 101 investidores de São Paulo e no Rio de Janeiro entre os dias 14 e 19 de março. A coleta de dados foi virtual.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar