CartaExpressa

Após nota pró-cloroquina de secretário, Queiroga diz que remédio não tem eficácia comprovada contra covid

Apesar da declaração em contraposição ao texto de Angotti Neto, Queiroga não cita diretamente o seu subordinado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participa do programa Sem Censura, na TV Brasil.

Foto: Érico Filipe/EBC
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participa do programa Sem Censura, na TV Brasil. Foto: Érico Filipe/EBC
Apoie Siga-nos no

Dias após o próprio Ministério da Saúde defender a hidroxicloroquina em uma nota técnica assinada por Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, o ministro Marcelo Queiroga admitiu que o medicamento não tem eficácia comprovada contra a Covid-19. A declaração foi dada nesta segunda-feira 24 em programa exibido pela TV Brasil.

“Essas medicações foram utilizadas no começo da pandemia e, na época, o uso era chamado de ‘compassivo’. Todos usaram. Posteriormente, se viu que, nessas situações, essa medicação não era mais aplicada e foi testada em outros contextos, né? Essas medicações, inclusive eu já falei, são medicações cujo uso científico ainda não está comprovada, mas essa confusão que querem criar entre vacina e cloroquina é totalmente descabida”, disse Queiroga durante a entrevista ao canal.

A postura contradiz a nota em vigor da própria pasta, que defendeu o uso do medicamento do chamado kit covid e colocou em xeque a eficácia da vacinação. Apesar da declaração em contraposição ao texto de Angotti Neto, Queiroga não cita diretamente o seu subordinado.

Parlamentares já atuam para retirar Angotti Neto do cargo. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal para que o secretário seja demitido da pasta e que sua posição no texto seja revogada. Atitude semelhante terá o PSOL, que classificou a nota de Angotti como criminosa e também levará o caso para a Suprema Corte.

Além do STF, senadores pretendem convidar o secretário para ir ao Congresso prestar explicações sobre o caso. O convite poderá ser transformado em convocação caso ele não compareça e ocorre no momento em que parlamentares defendem a criação de uma nova CPI da Covid na Casa.

Ainda que não ocorra a abertura de uma nova CPI, senadores também atuam para convocar Queiroga e o presidente da Anvisa, Barra Torres, para esclarecer temas relacionados à pandemia, em especial, a vacinação infantil e os ataques do governo federal à agência reguladora.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.