CartaExpressa

Afundamento de solo em mina da Braskem sofre nova aceleração, segundo Defesa Civil

Área segue em alerta para risco de colapso; órgão pede que população não transite na área desocupada

Créditos: Foto: Reprodução/ TV Gazeta
Apoie Siga-nos no

Um boletim divulgado na manhã deste sábado 9 pela Defesa Civil de Maceió mostra nova aceleração no aprofundamento do solo no entorno da mina de sal-gema operada pela Braskem, na capital alagoense, e que segue em risco de colapso.

De acordo com a última medição, o solo cedeu mais 2,16 metros. A velocidade do deslocamento aumentou de 0,21 cm/h para 0,35cm/h, acumulando movimento de 8,6 cm nas últimas 24h.

O órgão ainda segue com os alertas para que a população não transite na área desocupada até nova atualização, enquanto medidas de controle e monitoramento são aplicadas para reduzir o perigo.

A mina em risco de colapso fica no bairro do Mutange, que já registrou mais de mil abalos sísmicos em um período de cinco dias.

A Braskem encerrou a extração do sal-gema em 2019, mas mantém 35 minas localizadas na área urbana da cidade. A empresa anunciou a vedação de minas com técnicas como preenchimento com areia e tamponamento com pasta de cimento, além manter monitoramento técnico contínuo. A conclusão dos trabalhos está prevista para o período entre o final de 2024 e o início de 2025.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar