CartaExpressa

Privatização da Sabesp é rejeitada por 48% dos paulistanos, aponta pesquisa

Maioria acredita que a conta de água vai ficar mais cara

Foto: Sabesp/Reprodução
Apoie Siga-nos no

Há mais paulistanos contra do que a favor da privatização da Sabesp. O dado foi revelado em um levantamento do Instituto Travessia divulgado nesta segunda-feira 20 pelo jornal O Globo.

Segundo a pesquisa, 48% dos entrevistados disseram que discordam da privatização da Sabesp. Por outro lado, a medida é apoiada por 43% dos entrevistados. Outros 9% não souberam ou não responderam.

A privatização da Sabesp foi aprovada, recentemente, na Câmara Municipal de São Paulo. O tema passou por disputas judiciais, mas uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) autorizou a continuidade do processo.

A medida, que é uma das principais promessas do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), é vista com desconfiança por um motivo direto: ela poderá, segundo a maioria dos entrevistados, aumentar o valor pago na conta de água.

Para 55% dos entrevistados, a conta de água deverá ficar mais cara quando a Sabesp for privatizada. Para outros 20%, a conta deverá ficar mais barata.

A pesquisa foi feita entre 15 e 16 de maio com mil pessoas. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.