CartaExpressa

8 de Janeiro: ‘Temos 300 irmãos presos em Brasília’, diz Bolsonaro em ato do PL

Em Santa Catarina, o ex-capitão fez uma referência aos bolsonaristas detidos por envolvimento nos atos golpistas

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado 29 haver “300 irmãos presos em Brasília”, durante um evento do PL Mulher em Santa Catarina. Trata-se de uma referência aos bolsonaristas detidos por envolvimento nos atos golpistas de 8 de Janeiro.

Cerca de 250 acusados continuam presos sob a acusação de atuarem como autores e instigadores dos atos.

“Hoje, temos aproximadamente 300 irmãos presos em Brasília. Presos de forma covarde, de forma arbitrária. Esse seu sofrimento, se Deus quiser, chegará ao seu fim”, disse o ex-capitão. “E, lá, mais uma profunda marca: eles não querem, realmente, que venhamos a saber a verdade do que acontece em nosso País. Eles querem esconder a verdade.”

O retorno do Congresso Nacional aos trabalhos após o recesso parlamentar marcará também a retomada da CPMI do 8 de Janeiro. A próxima sessão do colegiado está agendada para a próxima terça-feira 1º, às 9h, com o depoimento de Saulo Moura da Cunha, ex-diretor-adjunto da Agência Brasília de Inteligência.

Saulo Moura da Cunha estava à frente da Abin no dia em que ocorreram os ataques golpistas às sedes dos Três Poderes. Sua convocação foi articulada pela oposição para tentar desgastar o governo Lula à base de alegações sobre uma suposta omissão diante dos atos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.