CartaExpressa

8 de Janeiro foi uma tentativa de golpe de Bolsonaro, diz Lula em Angola

O ex-presidente é alvo de um inquérito sobre a instigação dos ataques golpistas em Brasília

O presidente Lula em visita oficial a Angola, em agosto de 2023. Foto: Ricarso Stuckert/Presidência da República/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula reforçou nesta sexta-feira 25, durante agenda em Angola, o envolvimento do ex-presidente Jair Bolsonaro nos atos golpistas de 8 de Janeiro.

A declaração foi concedida na cerimônia em que o petista recebeu uma homenagem na Assembleia Nacional em Luanda.

“Registro aqui nossa gratidão aos nossos amigos angolanos pelo apoio estendido ao Brasil quando vivemos, em 8 de Janeiro deste ano, uma tentativa de golpe às sedes dos Três Poderes dado pelo ex-presidente”, afirmou Lula em seu pronunciamento.

Em 13 de janeiro, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, acolheu um pedido da Procuradoria-Geral da República e incluiu Bolsonaro em um inquérito sobre a instigação dos ataques golpistas.

A peça da PGR se baseava, entre outros indícios, em um vídeo publicado por Bolsonaro em 10 de janeiro – dois dias após a invasão dos Três Poderes – com mais uma leva de mentiras sobre o processo eleitoral. O post diz que Lula não foi escolhido pelo povo, mas “eleito pelo STF e pelo TSE”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.