Blogs

Livro aponta como nasce a paixão das mulheres pelo futebol

O pai ou o avô continuam sendo os principais responsáveis pela mulher se interessar por futebol no Brasil

E aí, quem foi que influenciou você a gostar de futebol? Quem foi a pessoa que fez você escolher seu time? Essas foram as pulgas atrás da orelha que fizeram Soraya Barreto Januário escrever o livro Mulheres no campo: o ethos da torcedora pernambucana.

Soraya é pernambucana e vive o futebol intensamente. Ela diz que, como torcedora, ainda se sente pouco contemplada pelas políticas internas de seu clube e queria saber o motivo de as mulheres serem tão pouco representadas dentro deles, mesmo tendo um público muito relevante.

Ela sabia como tinha se apaixonado pelo esporte. Mas e as outras mulheres? Foi a necessidade de entender como elas chegaram ao estádio, quais foram as motivações e as pessoas que as levaram lá que a incentivou a escrever o livro.

No total, 500 mulheres foram entrevistadas, todas elas do estado de Pernambuco. Trezentas foram entrevistadas dentro dos campos pernambucanos, imersas na atmosfera do jogo, ali cara a cara, com os olhos gritando mais que a voz que realmente era o futebol que as encantavam.

As outras 200 foram entrevistadas por um questionário online. Soraya conta que teve muito apoio de movimentos de torcidas femininas do estado, como Coralinas, Timbuzeiras e Elas Esporte, que se envolveram e as participantes responderam as perguntas.

Os resultados mostraram que o jogo está mudando

De acordo com Soraya, os resultados foram muito reveladores. Apesar do pai e do avô serem os principais responsáveis pela mulher se interessar por futebol (51%), o número de mães e avós que participaram do nascimento dessa paixão foi significativo (22%).

Este número é grande se formos parar para pensar que somente a partir de 1979 as mulheres foram permitidas por lei a praticar futebol. Se hoje temos muitas mulheres nos estádios, é porque as torcedoras das décadas de 70 e 80 lutaram para que todas estivessem lá.

Outro resultado interessante que o livro mostra é que 33,5% das meninas escolheram o time que torcem a partir dos resultados nas competições. Ou seja, o público feminino está começando a ter uma certa independência na escolha do seu representante na paixão pelo futebol.

Os números também mostraram que as mulheres estão tomando iniciativa quando o assunto é ir ao estádio: 35% das entrevistadas afirmaram que são elas que convidam amigos e familiares para irem às arquibancadas assistir aos jogos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!