Blogs

Joga Miga: o projeto que reúne mulheres para jogar futebol

O mapa do futebol feminino, uma ferramenta do projeto, mostra lugares em que mulheres podem praticar o esporte no Brasil

Independente do dia da semana, é muito comum ver homens rateando uma quadra ou campo para jogarem futebol. Já para as mulheres fazerem o mesmo, elas enfrentam como principais obstáculos a dificuldade de se reunir e achar lugar para jogar. Nesse cenário que parece até então “não favorável” à reunião de mulheres para praticar o esporte, o projeto “Joga Miga” ganha destaque. Sem limite de idade, sem exigir preparo físico e experiência, a única condição para participar é querer jogar. Os treinos são divididos em parte técnica, física e coletiva. Ele se mantém pelo rateio da quadra e das aulas, através de um plano mensal ou de aulas avulsas.

Uma das ferramentas do “Joga Miga” é o mapa online do futebol feminino, por meio dele, mulheres que não são de São Paulo podem encontrar outras cidades e estados em que podem praticar o esporte. No site do projeto, qualquer um pode colaborar com o mapa através do cadastramento de lugares que tenham futebol feminino.

A ideia, inicialmente, era formar um time sem objetivos muito sérios, apenas para jogar bola. O “Miga FC”, formado efetivamente em 2015 por Nayara Perone e Nathalia Santiago, encontrou dificuldades da equipe jogar junta de forma efetiva, apesar das habilidades individuais das jogadoras. Dois anos depois, elas tiveram a ajuda de Denis Ferreira, um professor que topou treinar o time. “Em 2017, outras meninas que viram e gostaram da ideia se juntaram com a gente. Começamos a treinar com esse professor que comprou a ideia na época”, conta Nayara. Devido à grande procura de outras meninas, o time “Miga FC” virou o projeto “Joga Miga”. Sem fins lucrativos, ele atualmente conta com 3 técnicos e 7 administradoras.

“A gente teve uma grande procura e acabamos criando outras turmas. Hoje, temos 6 turmas, uma quantidade de mensalistas que totalizam 150, além das que vão no modo avulso. Por mês a gente tem um giro de 150 a 180 mulheres jogando conosco. As unidades são localizadas na Pompeia, Butantã e no Tatuapé, em São Paulo. Em maio, a gente inaugura 2 sub-sedes com atletas que já passaram pelo grupo e que vão cuidar do projeto na cidade delas, uma em Franco da Rocha, Grande São Paulo, e a outra em Belém do Pará.”

O projeto ainda conta com a produção de conteúdo para o site com informações dos locais dos jogos, histórias e quem são as jogadoras, por exemplo. O “Joga Miga” pretende até final de maio ter um aplicativo.

O mapa do futebol feminino ajuda mulheres de todo o Brasil a encontrarem um lugar para jogar futebol e conta com a colaboração de voluntários para cadastrar os locais. “Times amadores, escolas, enfim, qualquer lugar que tenha futebol feminino consegue ser cadastrado e ficar visível no mapa para outras pessoas acharem por lá. Encurtou distâncias entre mulheres que querem jogar e lugares que tem futebol feminino, então, elas também têm a chance de achar locais perto de onde moram, quando não é aqui em São Paulo”, explica Nayara.

Um dos principais pontos positivos é  que além de poder aprender a jogar futebol do zero, as mulheres, muitas vezes, não praticam nenhuma atividade física até começarem a praticar o esporte. É o caso da Jessica Lange, de 27 anos e executiva de contas.

“Eu nunca joguei futebol na vida, mas um dia fuçando na internet (Instagram) achei o “joga amiga”. Fui lá na cara e na coragem mesmo porque vi que não é necessário saber jogar pra participar. Não sabia que podia realmente aprender futebol e lá tem essa possibilidade. Eu não praticava nenhum esporte, não fazia nada do gênero e hoje eu tenho o futebol como hobby”, conta.

Outro ponto positivo é que o futebol proporciona o surgimento de novas amizades. “Eu estava morando há 5 meses em São Paulo e me sentia muito só, não tinha amizade nenhuma. Depois que comecei a frequentar o futebol aos sábados, minha rotina mudou, antes não tinha amizade, agora tenho as melhores pessoas ao meu lado. A gente jogava futebol, fazia churrasco, tomava cerveja e dava muita risada no pós-jogo”, conta Larissa Guimarães, de 32 anos, que participou do projeto por 7 meses.

Atualmente, ela está morando em Belém do Pará e é a responsável por levar o método “Joga Miga” para a cidade. O projeto começa a partir do dia 6 de maio e a ideia foi muito bem recebida pelas mulheres. “Em menos de 24 horas de divulgação do projeto já tínhamos mais da metade do quórum mínimo. A maioria das meninas se interessaram por ser um projeto que dá a chance de todas começarem juntas, sem discriminar quem não tem experiência.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!