Braço da moda, a indústria têxtil é ícone na luta da classe trabalhadora

Desde o primeiro giro da Revolução Industrial, quando abandonamos o modo artesanal de fazer roupas, a tecelagem é um ícone do capitalismo

Greve de 2017 em São Paulo (Foto: Reprodução)

Greve de 2017 em São Paulo (Foto: Reprodução)

Fashion Revolution

por Iara Vidal*

Não existe moda sem indústria têxtil, atividade icônica para entender o que move a sociedade humana: a luta de classes. O mês de maio é dedicado a celebrar trabalhadores e trabalhadoras, que no segmento de confecção – o chão de fábrica do mundo fashion – é dominado pelas mulheres. 

No Brasil, segundo dados de 2020 da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), são 1,5 milhão de empregados diretos e 8 milhões de indiretos e sem vínculos, dos quais 75% são de mão de obra feminina. O segmento é o 2º maior empregador da indústria de transformação, atrás apenas do de alimentos e bebidas, juntos. É ainda o 2º maior gerador do primeiro emprego no país.

Esse contingente de pessoas que faz as nossas roupas são protagonistas das lutas da classe trabalhadora, que nasceram junto com a opressão do capital da burguesia. Não é à toa que a moda é a filha predileta do capitalismo.

Desde o primeiro giro da Revolução Industrial, quando abandonamos o modo artesanal de fazer roupas, graças ao carvão como energia e ao tear como modo mecânico de produção, tecer os fios que nos vestem é um ícone do sistema capitalista. 

Em A Ideologia Alemã, de Karl Marx e Friedrich Engels, a tecelagem é exemplo da capacidade do capitalismo de se apropriar das necessidades humanas. Anteriormente exercida por camponeses para prover o próprio vestuário, foi o primeiro trabalho a receber impulso e evoluir com a expansão do intercâmbio do mundo capitalista.

Marx e Engels também abordam a capacidade que a indústria têxtil teve para se adaptar às mudanças do modo de produção. “Foi o trabalho que desde o início pressupôs uma máquina, que ainda que na mais tosca das formas, que muito rapidamente se mostrou o mais capaz de desenvolvimento”, escrevem. 

A tecelagem foi a primeira, e permaneceu a principal, manufatura. A população crescia junto com a busca por tecidos para o vestuário. Era o início da acumulação e mobilização do capital dessa indústria nascente. A moda – o guarda-chuva que abrange a tecelagem – prosperava junto com o capitalismo com a circulação acelerada, a necessidade do luxo e a expansão do intercâmbio. 

“[Esse cenário deu à] tecelagem, quantitativa e qualitativamente, um impulso que a arrancou da forma de produção precedente. A par dos camponeses que teciam para uso próprio, os quais continuaram e ainda continuam a existir, surge nas cidades uma nova classe de tecelões cujos tecidos se destinavam a todo o mercado interno e, as mais das vezes, também a mercados estrangeiros.”

O chão de fábrica da indústria da moda também está presente no mito da fundação do Dia Internacional da Mulher, celebrado no dia 8 de março e que é fruto da luta de classes. Reza a lenda que, em 1857, 129 operárias têxteis morreram depois de os patrões terem incendiado a fábrica ocupada, em Nova Iorque (EUA). Elas protestavam por aumento de salário e jornada de 12 horas diárias. 

Três fatos históricos distintos deram origem a esse mito fundador: dois ocorridos no capitalista Estados Unidos da América (EUA) e um na socialista Rússia, antes da criação da hoje extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS)

O primeiro, em Nova Iorque, foi uma longa greve de costureiras, que durou de 22 de novembro de 1909 a 15 de fevereiro de 1910. 

O segundo, na mesma cidade, em 1911, ocorreu quando uma fábrica de tecidos chamada Triangle Shirtwaist Factory (Companhia de Blusas Triângulo) pegou fogo em decorrência das péssimas condições de segurança do local, matando 146 pessoas. Dentre os mortos, 129 eram mulheres – 90 delas se jogaram pelas janelas do prédio.

O terceiro fato histórico que deu origem ao mito foi a greve de tecelãs e costureiras de Petrogrado (atual São Petersburgo), na Rússia, em 1917, em plena Primeira Guerra Mundial. Naquele 23 de fevereiro, no calendário russo (8 de março no ocidental), as socialistas celebraram o seu primeiro Dia da Mulher. 

Um grande número de mulheres operárias do setor de tecelagem e costura saiu às ruas em manifestação por pão e paz. Elas bateram de frente com a decisão dos líderes bolcheviques, que consideraram o movimento inoportuno. 

A greve de tecelãs e costureiras foi o estopim para a primeira fase da Revolução Russa, a Revolução de Fevereiro. Em outubro, o Partido Bolchevique liderou a grande Revolução Russa ao longo de dez dias que abalaram o mundo.

O episódio foi documentado em escritos dos líderes bolcheviques Alexandra Kollontai e Leon Trotsky, que dedica um longo trecho ao registro no primeiro volume de seu livro História da Revolução Russa. 

“O dia das operárias, 8 de Março, foi uma data memorável na história. Nesse dia, as mulheres russas levantaram a tocha da revolução.” Alexandra Kollontai

“…contra todas as orientações, as operárias têxteis abandonaram o trabalho em várias fábricas e enviaram delegadas aos metalúrgicos para pedir-lhes que apoiassem a greve.” Leon Trotsky

Independente de qual tenha sido a origem ao Dia da Mulher, tanto o mito quanto os fatos que o embasam têm um ponto em comum: a indústria têxtil, um dos ramos da cadeia produtiva da moda.

A moda também é capaz de operar mudanças nesse modo de produção para beneficiar a classe trabalhadora. Como no caso das greves – reais ou imaginárias – que alcançaram melhores condições de vida e de trabalho para operárias e operários mundo afora. Tanto em países capitalistas, quanto em sociedades de transição socialistas. A moda está costurada com a política ao refletir a forma como nos comportamos e pensamos sobre a sociedade em que vivemos.

*Iara Vidal é representante do Fashion Revolution em Brasília, jornalista e pesquisadora independente dos encontros da moda com a política

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

O Fashion Revolution é um movimento internacional criado com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto.

Compartilhar postagem