Diálogos da Fé

Blog dedicado à discussão de assuntos do momento sob a ótica de diferentes crenças e religiões

Diálogos da Fé

Pelo direito à água

Um chamado cristão em tempos de Quaresma

Torneiras (Foto: Pixabay)
Apoie Siga-nos no

Na tradição cristã, a Quaresma é um tempo de 40 dias que simboliza preparação para a celebração da morte e da ressurreição de Jesus com foco na mudança, na conversão de caminhos.

É um período de oportunidade de revisão da vida para religiosos e também uma inspiração para quem não é. Um momento que deve significar mudança, conversão.

Sete Semanas pela Água é uma campanha realizada anualmente, na Quaresma, por um grupo de igrejas e organizações cristãs associadas ao Conselho Mundial de Igrejas, que, preocupadas com a situação no planeta, criaram a Rede Ecumênica da Água.

Neste tempo, cristãs e cristãos e todos aqueles de boa vontade são convidados a refletir e a tomar posição diante da situação da água, alimento básico e fundamental para os seres viventes, elemento que tem forte significado espiritual nas tradições religiosas.

A Quaresma é um tempo muito apropriado para se refletir que, na contramão deste princípio, a água está se tornando um recurso escasso, ameaçado e negado a bilhões de seres humanos no mundo.

De fato, um em cada três habitantes do planeta não têm acesso a água potável e dois em cada três não têm acesso a condições dignas de saneamento básico.

Por conta disso, mais de mil crianças morrem todos os dias por conta de doenças preveníveis, como diarreia, causadas por insegurança no consumo de água.

Leia também: Saneamento para poucos

A Rede Ecumênica da Água incentiva que a Quaresma seja um período para a revisão de vida de cristãos e de gente de boa vontade em relação ao uso irresponsável da água, com o desperdício promovido para satisfazer o conforto individual.

É preciso confissão, arrependimento e conversão quanto à omissão diante da enorme quantidade de lixo despejada nos rios e mares do planeta. Também, quanto ao envenenamento destes recursos naturais, provocado por baterias e outros descartáveis bem como por cosméticos, sabão e detergentes e tecidos sintéticos que contaminam peixes e vegetação aquática e acabam afetando os próprios humanos.

Casa destruída pela lama de Brumadinho (Foto: AFP)

Em todo o mundo, 80% da água usada é devolvida ao meio ambiente sem tratamento. Cerca de 90% dos piores desastres naturais humanitários nos últimos 25 anos estiveram relacionados com a água, como cheias e secas.

Soma-se a isto que, em muitos lugares do mundo, no Brasil inclusive, a água, um bem comum básico e natural, é privatizada e comercializada.

Em nome de projetos de desenvolvimento industrial e de exploração de bens naturais, fontes de água têm sido dragadas ou poluídas, causando riscos à flora, à fauna e aos seres humanos que são dependentes daquele ambiente para a sobrevivência.

Leia também: Israel apoia a privatização de água no Brasil, diz ativista

No Brasil, os casos de Mariana e Brumadinho são os mais fortes exemplos que demandam conversão.

A Quaresma chama à recordação de que os governos não têm respondido a estas questões de forma suficiente. É urgente que confessem publicamente sua falha por ignorarem a necessidade de justiça da água e transformem leis, políticas e ações.

As religiões, particularmente a cristã, carecem de mudança. Elas têm sido espectadoras silenciosas diante da realidade de comunidades vulneráveis em todo o mundo, também no nosso País, em que compatriotas são obrigados a andar quilômetros todos os dias em busca de água para suas famílias.

É preciso arrependimento pela aceitação da comercialização da água, que resulta em contaminação e redução do abastecimento, e conversão em ações de defesa e implementação do direito humano à água e ao saneamento para todos, sem exceção.

Durante o 8º Fórum Mundial da Água, realizado no Brasil em 2018, grupos religiosos reuniram-se no Fórum Alternativo Mundial da Água, incluindo a Rede Ecumênica da Água, e levantaram suas vozes para reforçar a dimensão espiritual da água e a afirmação da água como um bem comum, que não pode ser privatizado e deve ser colocado à disposição de todos os seres viventes.

A proposta do Conselho Mundial de Igrejas, onde está alocada a Rede Ecumênica da Água, em documento aprovado pela Assembleia Geral do órgão em 2006, é que as igrejas coloquem o tema na sua pauta, que se posicionem ao lado de que têm sido excluído do acesso à água e que defendam o acesso como direito humano, demandando transparência e justiça nos processos que envolvem a privatização e a comercialização deste dom da vida.

Neste tempo de Quaresma, eis a oportunidade de atender ao chamado da Rede Ecumênica da Água para defendermos e cuidarmos deste bem comum.

Um momento para revisões e para mudanças.

Tempo de reafirmar o valor precioso da água e de transformar atitudes individuais e coletivas em cuidado e em preservação desta que é fonte de toda vida.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo