Augusto Diniz | Música brasileira

Jornalista há 25 anos, Augusto Diniz foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Augusto Diniz | Música brasileira

Álbum com afro-sambas dá continuidade à linguagem de Baden Powell e Vinicius de Moraes

Toninho Geraes e Chico Alves, dois ótimos compositores, reúnem sambas autorais inspirados no antológico álbum de 1966

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O disco Aluayê — os novos afro-sambas, lançado neste ano, tem como referência a linguagem musical proposta por Baden Powell e Vinicius de Moraes, no clássico disco de 1966 da dupla. Naquela época, foi apresentado um samba de matriz afro – aliás, todo samba que se preze é de matriz afro – com violão ditando o ritmo e arranjos pouco usuais, mas que se tornaria padrão no gênero.

O disco Aluayê, de Toninho Geraes e Chico Alves, dois bons e produtivos compositores de samba, reuniu uma leva de ótimos afro-sambas autorais. O registro tem a participação nas 10 faixas do Trio Janaju, formado por Jaime Alem e as cantoras Nair Cândia e Jurema de Cândia.

Jaime Alem, que trabalhou por décadas com Maria Bethânia, fez os arranjos e toca violão no álbum, ao lado de Dirceu Leite (flauta e sax), Rômulo Gomes (contrabaixo), Felipe Tauil e Robson Batata (percussões), e Vitor Vieira (bateria).

Toninho Geraes já tem mais de 30 anos de carreira e seis álbuns solo nas costas. É autor da clássica Mulheres, composição gravada por Martinho da Vila e a qual a cantora inglesa Adele é acusada de plágio. 

O artista tem mais de uma centena de composições gravadas por outros intérpretes, algumas com forte acento afro, como Seu Balancê (com Paulinho Rezende), registrada por Zeca Pagodinho.

Já Chico Alves, com mais de 20 anos de trabalho musical, tem três registros fonográficos lançados.O Pra Yayá Rodar a Saia (2017) tem ótimos sambas, inclusive afros e de roda.

O repertório de Aluayê — os novos afro-sambas (Mills Records) tem músicas já gravadas e outras inéditas:  Benguelê (Toninho Geraes, Jaime Alem, Chico Alves), Dor de Amor (Toninho Geraes, Toninho Nascimento, Chico Alves), Camafeu (Toninho Geraes, Chico Alves), Queimada (Marco Pinheiro, Chico Alves), Desencanto (Toninho Geraes, Paulo Cesar Feital, Chico Alves), Mãe Rezadeira (Toninho Nascimento, Chico Alves), Rainha Ginga (Toninho Geraes, Toninho Nascimento), Paixão Maré (Toninho Geraes, Chico Alves), Nunca Mais (Toninho Geraes, Chico Alves) e Coisas da Minha Terra (Toninho Geraes, Chico Alves).

O lançamento do álbum acontece no dia 30 de junho, no Teatro Riachuelo, na cidade do Rio de Janeiro. Detalhes no site.

Augusto Diniz

Augusto Diniz
Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.