Ricardo Salles é alvo de protesto de ativistas ambientais em Paris

Ministro do Meio Ambiente está em turnê pela Europa para promover as ações do governo Bolsonaro na área

Em Paris, ativistas do Greenpeace francês protestam contra Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente do Brasil. Foto: AFP

Em Paris, ativistas do Greenpeace francês protestam contra Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente do Brasil. Foto: AFP

Sustentabilidade

Cerca de 20 ativistas do Greenpeace França foram protestar na manhã desta quinta-feira 26 em frente à residência do embaixador brasileiro enquanto acontecia uma reunião entre o ministro do Meio Ambiente brasileiro, Ricardo Salles, e executivos de grandes empresas francesas, incluindo a petrolífera Total.

Os ativistas exibiram uma faixa com a mensagem “Bolsonaro – assassino da Amazônia”. Segundo o Greenpeace, o grupo enviou cerca de cem alarmes sonoros ao pátio interior da residência, “uma maneira de lembrar o Ministro do Meio Ambiente do Brasil de que sua inação climática não passará despercebida até que sejam tomadas medidas concretas do governo brasileiro para limitar o desmatamento e seu impacto nas mudanças climáticas”.

Além disso, um veículo exibindo uma visão dos incêndios na Amazônia foi posicionado em frente à entrada da residência e dificultou o acesso a ela.

“Hoje estamos testemunhando um contra-ataque do governo brasileiro, que está tentando aliviar as tensões corretamente levantadas pelos incêndios na Amazônia. Ao enviar seu ministro do Meio Ambiente em turnê para conhecer as grandes empresas, Jair Bolsonaro tenta preservar as relações comerciais de seu país e melhorar a imagem do governo brasileiro, mas não engana ninguém “, afirmou Suzanne Dalle, especialista em agricultura do Greenpeace França.

Paris é a primeira parada de Ricardo Salles, que está iniciando uma turnê pela Europa para promover seu governo e a ação de Jair Bolsonaro, depois de passar pelos Estados Unidos.

“Esta cruzada do governo brasileiro, que se pretende defensor da biodiversidade, não é absolutamente credível. Desde que assumiu o cargo, o governo de Jair Bolsonaro vem trabalhando duro para desmantelar as políticas ambientais. Em 2019, o orçamento alocado ao Ministério do Meio Ambiente foi reduzido em 96% em relação a 2018. Resultado: o número de incêndios subiu 145% em 2019”, insiste Suzanne Dalle.

“Durante seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU, Jair Bolsonaro disse que a Amazônia ainda estava quase intacta, uma mentira combatida pelo Greenpeace Brasil, que sobrevoou a semana passada o norte do país para identificar as áreas desmatadas do território, uma observação avassaladora apoiada por imagens de satélite”, escreveu o Greenpreace França em um comunicado para a imprensa.

“Estamos aqui hoje para denunciar a política do governo brasileiro, mas a França também é cúmplice desta política incendiária, ao não tomar medidas concretas para proibir a chegada de matérias-primas que contribuíram para o desmatamento”, completa Suzanne Dalle.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem