Produtores de soja criticam bloqueio a produtos de áreas desmatadas: ‘Brasil não é mais colônia’

No texto, a associação ainda diz que a ‘UE não é mais dona do mundo’, assim como o ‘Brasil não é mais colônia europeia’

A soja avança. Foto: Adriano Gambarini/WWF-Brasil

A soja avança. Foto: Adriano Gambarini/WWF-Brasil

Política,Sustentabilidade

A Associação Brasileira de Produtores de Soja (Aprosoja) criticou nesta terça-feira 23 a proposta do Parlamento Europeu de proibir a entrada de produtos vindos de áreas desmatadas na União Europeia. Na lista de possíveis barrados estão a soja, cacau, café e até carne bovina.

Em nota, a associação disse que a medida é “protecionismo comercial disfarçado de preservação ambiental”. No texto, os produtores brasileiros ainda dizem que a ‘UE não é mais dona do mundo’, assim como o ‘Brasil não é mais colônia europeia’ e por isso não deve aceitar a medida.

Para a Aprosoja, barrar alguns dos principais produtos brasileiros sob a alegação de que são oriundos de áreas ilegalmente desmatadas é uma ‘afronta à soberania nacional’.

“Se os europeus estão preocupados com nossas florestas, eles poderiam aproveitar a qualidade de suas terras para replantar também as suas florestas e instituir como aqui a reserva legal e as áreas de proteção permanente dentro das propriedades rurais. Portanto, respeitem a nossa soberania”, diz um trecho da nota divulgada pela associação.

Segundo eles, a floresta amazônica teria 80% do seu bioma preservado, ‘da forma como os europeus encontraram quando colonizaram o País’. A afirmação repete um discurso feito por Jair Bolsonaro a investidores em Dubai, quando afirmou que ‘90% do bioma estaria intacto, como encontrado em 1500’.

Dados recentes do Instituto Brasileiro de Florestas mostram que 16% do local já foi atingido pela devastação. Levantamento da WWF Brasil e do Ecoa Brasil, a partir de dados coletados pelo Inpe, indicam que a Amazônia brasileira já perdeu 19% da sua área original. Em outubro, o desmatamento bateu recorde na região e atingiu níveis nunca antes registrados para o período.

Ainda na nota, a Aprosoja também defende que o governo brasileiro já se comprometeu a acabar com o desmatamento ilegal até 2028, o que, portanto, tornaria injustificado a tentativa de bloqueio da UE sobre os produtos brasileiros. Na sexta-feira, no entanto, dados oficiais mostraram que sob a gestão Bolsonaro, o desmatamento na região subiu 22% em apenas um ano.

“Se isso não é suficiente, podemos concluir que as intenções da União Europeia não dizem respeito à preservação ambiental, mas, sim, de uma tentativa de exercer barreiras comerciais contra produtores de alimentos do Brasil para proteger agricultores daqueles países”, sugere o texto.

A Aprosoja também diz ser ‘impossível’ pela legislação brasileira que a produção do agronegócio avance sobre a floresta preservada.

“Há estados no bioma amazônico que têm mais de 60% de seu território destinado para Terras Indígenas e Unidades de Conservação, como é o caso do Amapá, que tem 71% da sua área preservada. E o Código Florestal obriga a preservar 80% da propriedade, ou nos casos de ocupação anterior, 50% dela. Não precisa ser nenhum gênio da matemática para concluir que legalmente não se pode expandir a produção nos 80% de floresta”, defendem os produtores.

Estudos, no entanto, indicam que o agronegócio é atualmente um dos principais responsáveis pelo desmatamento da floresta brasileira, assim como por boa parte da emissão dos gases de efeito estufa no País.

Por fim, a associação cobra que a UE ‘respeite a soberania nacional’ em decidir sobre o uso das suas terras e que outros países afetados pela medida também se posicionem contra a proposta apresentada no Parlamento.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem