CartaExpressa,Sustentabilidade

Desmatamento na Amazônia sobe 22% e passa de 13 mil km² em um ano

Desmatamento na Amazônia sobe 22% e passa de 13 mil km² em um ano

Desmatamento da Amazônia brasileira. Foto: Marizilda Cruppe/Amazon Watch/Amazônia Real

Desmatamento da Amazônia brasileira. Foto: Marizilda Cruppe/Amazon Watch/Amazônia Real

A área desmatada na Amazônia entre agosto de 2020 e julho de 2021 é de 13.235 km², o pior índice em 15 anos.

O dado, baseado no relatório anual do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite, o Prodes, foi divulgado nesta quinta-feira 18 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. A taxa de desmatamento subiu 22% na comparação com o ano anterior.

A maior parte da devastação ocorreu no Pará (5.257 km²), seguido por Amazonas (2.347 km²) e Mato Grosso (2.263 km²). No ano anterior (entre agosto de 2019 e julho de 2020), o número total chegou a 10.851 km².

Em 2006, o monitoramento indicou 12.911 km² desmatados. Entre 2009 e 2014, a taxa caiu de 7.764 km² para 5.012 km², a mais baixa. De 2015 a 2021, o cenário mudou drasticamente. Veja a taxa de desmatamento dos últimos anos, de acordo com o Prodes:

  • 2015: 6.207 km²
  • 2016: 7.893 km²
  • 2017: 6.947 km²
  • 2018: 7.536 km²
  • 2019: 10.129 km²
  • 2020: 10.851 km²
  • 2021: 13.235 km²

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem