Economia

Ministro diz esperar ‘bom senso’ do Ibama sobre exploração de petróleo na foz do Amazonas

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, também se manifestou sobre o tema e negou a possibilidade de pressionar o órgão

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, e o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, se manifestaram nesta quarta-feira 14 sobre o pedido apresentado pela empresa ao Ibama para perfuração de um poço a 500 quilômetros da foz do rio Amazonas.

A primeira solicitação da Petrobras foi negada pelo instituto. Conforme a análise técnica original, o plano da petroleira não fornecia garantias para atendimento à fauna diante de eventuais acidentes com o derramamento de óleo. Impactos em três terras indígenas em Oiapoque também não foram devidamente explicados.

A estatal protocolou, então, um segundo pedido, atualmente em análise pelo Ibama. Enquanto isso, a companhia já retirou um navio-sonda NS 42, que estava em um bloco a cerca de 175 quilômetros do Amapá.

Silveira disse confiar no “bom senso” do instiuto na análise do novo pedido.

“O que esperamos do Ibama, dos órgãos competentes do meio ambiente, é que eles digam como devemos fazer e não que não devemos fazer”, declarou o ministro depois de participar de um seminário sobre mobilidade elétrica.

Prates, por sua vez, afirmou não haver prazo para uma resposta do Ibama e reforçou que a Petrobras cumpriu os requisitos.

“Fizemos todos os argumentos novos, colocamos novos elementos de dados técnicos, disponibilizamos mais embarcações de apoio e equipamentos”, disse nesta quarta. “Fizemos toda uma complementação de acordo com as exigências que foram colocadas também no último despacho e estamos aguardando a resposta do Ibama.”

Após uma reunião com o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), Prates afirmou, ainda, que não pressionará o órgão. “Eles têm autonomia, nós respeitamos. Pelo menos a nossa gestão respeita muito isso”, avaliou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo