Economia

Petrobras registra lucro líquido R$ 23,7 bilhões no 1º trimestre de 2024

Foi proposto o pagamento de 13,4 bilhões de reais em dividendos no trimestre

Petrobras. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira 13 que registrou um lucro líquido de 23,7 bilhões de reais no 1º trimestre de 2024. Valor representa uma redução de 23% em relação ao registrado no quarto trimestre de 2023.

Segundo a empresa, os fatores que exerceram influência nesse resultado foram a desvalorização cambial do final de período e e volume menor de vendas de óleo e derivados – algo comum no primeiro trimestre do ano, quando há menor demanda por diesel.

Além disso, a redução do preço do petróleo e da margem de diesel. “Quando ocorre a desvalorização cambial, há flutuação no demonstrativo financeiro pela variação do câmbio que reconhecemos por regra contábil”, disse Sergio Leite, Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores.

Segundo a estatal, no período, também foi registrado Fluxo de Caixa Operacional (FCO) de 46,5 bilhões de reais e EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de 60 bilhões de reais.

Foi proposto o pagamento de 13,4 bilhões de reais em dividendos no trimestre.

“No trimestre, mantivemos uma geração de caixa consistente, que nos dá segurança em relação aos investimentos futuros, incluindo os que tem como foco o crescimento da produção da companhia”, afirma o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates.

O endividamento financeiro da companhia no trimestre teve uma redução de 1,1 bilhão de dólares, atingindo 27,7 bilhões de dólares.

Esse é o menor nível da dívida financeira desde 2010. A dívida bruta manteve-se controlada em 61,8 bilhões de dólares, incluindo os arrendamentos.
Investimentos no trimestre

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo