Mundo

Colômbia decidiu não assinar novos contratos de exploração de petróleo, diz Petro na COP28

Um dos caminhos para financiar a transição energética no país, segundo o presidente, é o turismo

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, na COP 28, nos Emirados Árabes Unidos. Foto: Foto: Karim Sahib/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, afirmou neste sábado 2 que o país decidiu não assinar novos contratos de exploração de carvão, petróleo e gás. A declaração foi concedida em um evento da COP28, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

“Não significa que ficaremos sem petróleo, carvão e gás, já existem esses combustíveis em exploração e há muitos contratos de exploração em vigor. O que não queremos é que eles se expandam ainda mais”, ressaltou.

Um dos caminhos para financiar a transição energética na Colômbia, segundo ele, é o turismo. “É uma atividade em que o país, se nos ajudarem aqui, poderia conseguir um montante suficiente de divisas para, por exemplo, substituir toda a extração de carvão em primeiro lugar”, acrescentou.

Na COP 28, Petro fez outro anúncio, sem força legal, mas simbólico: o de que a Colômbia se unia ao Tratado de Não Proliferação de Combustíveis Fósseis.

Trata-se do primeiro país não insular a aderir ao tratado, que surgiu em 2019 em um grupo de ilhas do Pacífico, da Ásia e do Caribe.

A Colômbia é a quarta potência petrolífera latino-americana, com cerca de um milhão de barris diários.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.