Política

Amazônia perdeu quase três mil campos de futebol por dia em 2022, diz Imazon

Ao todo, foram desmatados 10.573 km², segundo o levantamento

Imagem: Bruno Kelly/Amazônia Real
Apoie Siga-nos no

O desmatamento na Amazônia em 2022 foi o maior registrado nos últimos 15 anos, segundo monitoramento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, o Imazon.

Entre janeiro e dezembro, foram desmatados 10.573 km², uma área equivalente a quase três mil campos de futebol por dia.

Os dados apontam ainda que 2022 marcou o quinto recorde anual de desmatamento na Amazônia. Pará, Amazonas e Mato Grosso seguem no ranking de maiores destruidores florestais entre os estados. Apenas no Amazonas, a devastação cresceu 24% em um ano.

“Estamos alertando sobre o crescimento do desmatamento na Amacro pelo menos desde 2019, porém não foram adotadas políticas públicas eficientes de combate à derrubada na região, assim como em toda a Amazônia, resultando nesses altos números de destruição em 2022”, afirma Carlos Souza Jr., coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia no instituto.

A proposta do presidente Luiz Inácio da Silva (PT) e da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, envolve o compromisso com desmatamento zero. Para aplicar a nova política ambiental, será criada uma secretaria focada em frear a derrubada das florestas.

Segundo Bianca Santos, pesquisadora do Imazon, a garantia da promessa de proteger a Amazônia depende de o governo buscar “a máxima efetividade nas medidas de combate à devastação, como algumas já anunciadas, de volta da demarcação de terras indígenas, de reestruturação dos órgãos de fiscalização e de incentivo à geração de renda com a floresta em pé”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.