Sociedade

Vítimas da ditadura querem barrar homenagens de Bolsonaro ao golpe

Ação popular e mandado de segurança apontam “imoralidade, improbidade e a ilegalidade” na recomendação do presidente

Foto: Arquivo Nacional/ Correio da Manhã
Apoie Siga-nos no

Um grupo de vítimas da ditadura militar protocolou ações nesta quarta-feira 27 para barrar a decisão de Jair Bolsonaro de prestar homenagens ao golpe militar. As duas ações, segundo o documento, apontam “imoralidade, improbidade e a ilegalidade” do ato do presidente.

O grupo protocolou uma ação popular em São Paulo, que supõe o direito do cidadão de contestar a validade de um ato oficial, e um mandado de segurança, caracterizado como uma proteção contra uma tentativa ou violação efetiva de direitos. O mandado já foi apresentado ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília, com um pedido de liminar. O ministro Gilmar Mendes é o relator.

Entre os autores estão membros da família de Vladimir Herzog e da família Teles, como Amelinha, Edson e Crimeia, que foram torturados pelo regime. Eles foram reconhecidos pela Comissão Nacional da Verdade, em 2014, como vítimas do Estado na época da ditadura.

A advogada Bruna Angoti, uma das responsáveis pelas ações e integrante do Coletivo de Advogados de Direitos Humanos (CADHu), relatou que o “STF deve decidir com urgência” devido à proximidade das homenagens, que seriam prestadas neste final de semana. “É uma afronta ao direito à verdade e à memória dessas vítimas”, diz.

Leia também: Bolsonaro determina comemoração do golpe de 1964

O mandado relembra também o compromisso do Brasil com os órgãos internacionais de direitos humanos, como a Corte Interamericana. Por ela, o Brasil já foi responsabilizado pela morte do jornalista Vladimir Herzog e pelas torturas dos participantes da Guerrilha do Araguaia, grupo de resistência ao regime. Na sentença relacionada à Guerrilha, a Corte determinou que o País deveria tomar medidas para evitar repetição das infrações. Dentre elas, a “a educação das próprias Forças Armadas a respeito das graves violações de direitos humanos que o evento representou.”

O Ministério Público Federal e a Defensoria Pública da União já se manifestaram contrários à decisão do presidente. Nas redes sociais, Jair Bolsonaro endossa a decisão ao compartilhar falas do porta-voz da Presidência sobre as ações mais recentes, classificando-as como “positivas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.