Justiça

Por unanimidade, STF derruba decreto de Bolsonaro que permitia exploração de cavernas

Em 2022, em decisão liminar, o então ministro Ricardo Lewandowski já havia suspendido os efeitos da norma

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal confirmou por unanimidade a suspensão de empreendimentos em cavernas, grutas, lapas e abismos.

A Corte derrubou os efeitos de um decreto editado em 2022 pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL) que autorizava a exploração de cavidades naturais subterrâneas para construir empreendimentos considerados de utilidade pública.

A Rede Sustentabilidade acionou o STF para revogar a liberação. Na ocasião, o então ministro Ricardo Lewandowski reverteu parcialmente o decreto e reforçou que desde 1990 todas as cavernas brasileiras recebem o tratamento de patrimônio cultural nacional.

Em sessão no plenário virtual encerrada na última sexta-feira 26, o plenário acompanhou o voto de Lewandowski. Segundo o então magistrado, o decreto “imprimiu um verdadeiro retrocesso na legislação ambiental, sob o manto de uma aparente legalidade”.

Ele enfatizou que a exploração dessas áreas também poderia danificar formações geológicas, sítios arqueológicos e recursos hídricos subterrâneos, além de impactar no habitat de animais como os morcegos – o que colocaria em risco também os humanos, diante da possibilidade de surgimento de novas epidemias ou pandemias.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo