Justiça

assine e leia

Usados por empresas e políticos, robôs e perfis falsos ainda escapam da Justiça Eleitoral

Nova forma de deturpar e manipular o debate nas redes sociais, essas contas reproduzem o comportamento normal dos usuários para aumentar o impacto da propaganda

Os militares usaram perfis falsos para criticar ONGs, tecer loas à atuação do Exército na Amazônia e justificar a compra de Viagra com sobrepreço . O iFood contratou uma agência especializada para desmobilizar uma greve de entregadores de aplicativos por meio de contas fantasmas - Imagem: Vinícius Mendonça/Ibama e Renato Luiz Ferreira
Apoie Siga-nos no

Na segunda-feira 11, um levantamento feito pelo deputado Elias Vaz, do PSB, no Portal da Transparência revelou que as Forças Armadas compraram 35 mil doses de Viagra. Comumente utilizado para combater a disfunção erétil, o medicamento não tem relação com as atividades militares e os usuários das redes sociais foram rápidos em criticar a aquisição, sem licitação e com sobrepreço. Rapidamente, perfis criados há poucos dias começaram a reproduzir comentários idênticos nas postagens dos críticos, apontando a viabilidade do Viagra no tratamento da hipertensão pulmonar, a mesma justificativa dada pela Força Aérea e pela Marinha. Uma dessas contas tuitou a mesma mensagem em dezenas de postagens na mesma hora e, depois, começou a interagir com contas bolsonaristas, compartilhar conteúdo antipetista e atacar influenciadores da esquerda. Foi uma campanha de desinformação coordenada a olhos vistos, utilizando as chamadas contas inautênticas.

Esse é o termo criado pelo Facebook para se referir às contas robôs, automatizadas e operadas por programas; ciborgues controlados tanto por humanos quanto por software; e os trolls operados por pessoas reais, mas que reproduzem o conteúdo e o comportamento das contas biônicas. Algumas delas são até contas antigas, compradas de outros usuários e que, às vezes, contam com dezenas de milhares de seguidores, mas que subitamente mudam de nome e de assunto favorito. O que todas elas têm em comum é a preferência por espalhar conteúdos mentirosos com a intenção de enganar outros usuários das redes sociais, interagir com influenciadores alinhados com seus discursos e por agir de forma coordenada.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo