Twitter suspende nova conta de Sara Winter

Plataforma afirma que militante bolsonarista violou as regras de uso

A militante de extrema-direita, Sara Winter. Foto: Twitter

A militante de extrema-direita, Sara Winter. Foto: Twitter

Sociedade

O Twitter suspendeu na noite da última quarta-feira 19 a conta da militante bolsonarista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, após a divulgação de dados pessoais da menina estuprada no Espírito Santo.

De acordo com a plataforma, o perfil foi tirado do ar por violar as regras de uso.

Na última segunda-feira 17, as contas de Sara no Instagram e no YouTube também foram excluídas.

 

A conta original da militanteno Twitter já havia saído do ar em julho, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, no âmbito do inquérito das fake news.

 

MP processa Sara

O Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES) entrou com uma ação contra Sara.

O principal pedido é para que a extremista seja condenada a pagar uma indenização a título de dano moral coletivo, em valor de 1,3 milhão de reais para a causa.

A quantia deve ser revertida ao Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente.

Segundo o MP-ES, Sara teve acesso, de forma ilegal, a detalhes do caso da menina de 10 anos que sofreu estupro e precisou ser submetida a um procedimento de aborto. O caso corre sob segredo judicial.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem