CartaExpressa

Tarcísio minimiza denúncia na ONU por violência policial: ‘tô nem aí’

Em evento, o governador negou que exista excessos nas ações das forças de segurança em operações da Baixada Santista

Recentemente, uma ação da PM de São Paulo matou ao menos 28 pessoas. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas (Republicanos), minimizou a denúncia feita contra ele por entidades de Direitos Humanos na ONU. Além disso, negou que exista violência policial nas operações da PM paulista na Baixada Santista

A declaração aconteceu durante evento do Dia Internacional da Mulher nesta sexta-feira 8. 

“E parece que a gente quer que o Brasil realmente vire uma ‘máfia Estado’. Porque quando há esse enfrentamento: ‘oh meu Deus, puxa vida, estou enfrentando o crime’. E a gente vê cada bobagem do que é falado”, disse.

Não, a gente está fazendo o que é correto. Nós vamos continuar fazendo o que é correto. Não tem bandido na polícia. E, quando tem, quando tem excesso, esse excesso vai ser punido exemplarmente. Tem muita tranquilidade com relação ao que está sendo feito. E aí, o pessoal pode ir na ONU, na Liga da Justiça, no ‘raio que o parta’ que eu tô nem aí“, completou.

A ação policial já deixou ao menos 39 mortos na região, a mais letal desde o massacre do Carandiru. No documento enviado pelas organizações de direitos humanos brasileiras à ONU, há depoimento dos moradores que inclui relatos de tortura e de outras formas de violência praticadas por agentes de segurança pública.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo