Sociedade

O que se sabe sobre a explosão em artefato bélico em apartamento em SP

Morador, coronel guardava 60 armas e 3 mil munições em apartamento incendiado

Apoie Siga-nos no

Morador do apartamento que pegou fogo, neste sábado 24, coronel do Exército guardava cerca de 60 armas de fogo e 3 mil munições, além de uma granada em casa. 

A perícia concluiu que o fogo começou após a explosão de um artefato, guardado em um cofre.  

Os bombeiros e equipes de resgate foram chamados após uma série de explosões dar início a um incêndio no imóvel, localizado em Campinas, interior de São Paulo. 

O dono do apartamento foi identificado como Vigílio Parra Dias, coronel reformado. Ele teria deixado o prédio durante a evacuação dos moradores e “permanece em local incerto” até o momento. 

Segundo o Comando Militar do Sudeste do Exército, o militar possui certificado de registro válido como atirador, caçador e colecionador. 

“Está sendo realizada uma perícia no local para levantamento de mais informações e detalhamento do caso. Militares do Exército acompanham os trabalhos dos órgãos de segurança pública para colaborar com a elucidação dos fatos”, disse nota da corporação. 

Trinta e quatro pessoas que inalaram fumaça precisaram de atendimento médico e foram encaminhadas para unidades de atendimento. 

Ao todo, 44 pessoas que estavam nos andares superiores foram retiradas do prédio usando técnica semelhante a uma descida de rapel. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo