Sociedade

O que (e quem) está por trás das cantorias evangélicas em shoppings e supermercados

Movimento aparentemente espontâneo é, na verdade, parte de um projeto de evangelização de uma famosa igreja

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Nas últimas semanas, vídeos em que dezenas de pessoas aparecem cantando músicas evangélicas em shoppings e mercados pelo Brasil tomaram conta das redes sociais. O fenômeno tem sido compartilhado com ares de mistério e vem sendo chamado de ‘avivamento’ por internautas.

As imagens, compartilhadas sem muito contexto, mostram apenas pessoas reunidas em uma espécie de coral, como se o flash mob cristão tivesse surgido espontaneamente e arrebatado clientes desavisados. Na prática, porém, se trata de uma ação orquestrada com a assinatura da Igreja Fonte da Vida.

Segundo o site da denominação, as cantorias são parte do projeto de evangelização batizado de IDE, que busca ser, nas palavras dos responsáveis pela igreja, a maior ação de evangelização do mundo.

“O IDE é um projeto evangelístico, com o objetivo de alcançar pessoas que ainda não conhecem e que precisam de Cristo em suas vidas e famílias”, define o apóstolo César Augusto, fundador da Fonte da Vida e famoso no círculo evangélico por ser um forte aliado de Jair Bolsonaro (PL). Ele tem comemorado o sucesso da ação em seus perfis nas redes sociais com publicações diárias que convidam para um novo flash mob.

De acordo com as orientações aos fiéis da Fonte da Vida, a iniciativa surgiu no final de janeiro de 2023 e pretende repetir o feito em todo último sábado do mês. Nestes dias, os fiéis são orientados a saírem às ruas para ‘levar a palavra do senhor’. O flash mob em shoppings e mercados são uma destas ações, que conta ainda com teatros e pequenas apresentações em praças públicas e hospitais.

Um vídeo promocional do projeto IDE, compartilhado nas redes sociais da Fonte da Vida, informa ainda que a tentativa de coral em locais comerciais será repetida no próximo sábado 25 de março em diferentes regiões do País e do mundo. A igreja, vale mencionar, tem 181 sedes espalhadas pelo Brasil e conta ainda com 11 igrejas na América do Norte, 2 na Europa e 1 na Namíbia.

“Que possamos nos preparar para o próximo mês na 3ª edição desse projeto, com uma unção ainda maior e alcançando mais corações para Cristo Jesus!”, diz um trecho da convocação para os atos.

O vídeo de maior repercussão nas redes sociais, segundo a própria Fonte da Vida, foi gravado em um famoso shopping em Goiânia, capital de Goiás, no dia 25 de fevereiro, quando os fiéis realizaram a ação pela segunda vez. No chamamento para a 3ª edição do IDE, a própria Fonte da Vida admite que é bastante provável que o modelo passe a ser seguido por outras denominações.

A repercussão gerou, além de curiosidade, revolta de parte dos internautas, que acusam evangélicos de tentarem impor sua fé. Nas publicações de maior apelo, em páginas como a Choquei, uma das grandes responsáveis pela viralização da ação, é comum ler comentários questionando se a receptividade da cantoria seria a mesma se a música cantada tivesse ligações com religiões de matriz africana.

Modelo não é novo

Apesar de tomar novas proporções com o projeto IDE, o modelo de evangelização com cantorias em shoppings e mercados não é uma novidade entre Igrejas. No Youtube, é possível encontrar dezenas de registros que se assemelham bastante ao modelo utilizado pela Fonte da Vida em 2023. As publicações mais antigas de flash mobs crentes são de 7 anos atrás. O termo IDE também é utlizado nestas publicações. Na maioria delas, porém, não é possível saber qual a denominação evangélica responsável pela ação. Veja alguns dos vídeos:

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.