Sociedade

Movimento negro protesta na Polícia Rodoviária Federal após “câmara de gás” em Sergipe

Entidades e líderes de movimentos se reuniram junto à Superintendência da entidade na capital paulista

Manifestantes se concentraram em frente à Superintendência da PRF em São Paulo nesta sexta 27 - Foto: Igor Carvalho/Brasil de Fato
Manifestantes se concentraram em frente à Superintendência da PRF em São Paulo nesta sexta 27 - Foto: Igor Carvalho/Brasil de Fato
Apoie Siga-nos no

“PRF mata”, dizia a faixa pendurada no portão de entrada da Superintendência da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na Vila Guilherme, zona norte de São Paulo, nesta sexta 27. Cerca de 100 manifestantes se reuniram na frente da sede da corporação para protestar contra o assassinato de Genivaldo Jesus, em uma câmara de gás improvisada em um camburão, em Umbaúba, no litoral sul de Sergipe. 

O ativista Douglas Belchior, fundador da Uneafro Brasil, movimento que convocou a manifestação, lembrou do histórico recente da PRF e associou a letalidade dos agentes ao presidente Jair Bolsonaro. 

“A PRF estava na operação que vitimou 25 pessoas na Vila Cruzeiro e, agora, assassina brutalmente Genivaldo Jesus. A PRF é a polícia preferida de Bolsonaro e a que ele mais se aproximou. Bolsonaro está radicalizando a naturalização da nossa morte”, criticou Belchior.

A vereadora de São Paulo Elaine Mineiro (PSOL), do Quilombo Periférico, também protestou. “Não podemos prometer paz para o nosso povo, pois não existe paz pra gente. O que podemos e devemos fazer é mostrar que nós também não vamos deixá-los em paz. Queremos viver, só isso.”

“É um ataque muito forte ao nosso subjetivo, ao movimento. Se a gente não reagir agora, pode ser que este ano seja repleto de casos como este”, disse André Santos, integrante do Movimento Antirracista Dandara, do ABC Paulista. “Foi feito à luz do dia, filmado, não foi de madrugada, escondido, como foi outros casos”, complementou, em depoimento divulgado pela agência de notícias Alma Preta.  

O episódio

O caso foi registrado na cidade de Umbaúba, litoral sul de Sergipe, na quarta-feira 25. Genivaldo foi morto depois de ser preso por dois policiais rodoviários federais. Ele foi colocado dentro do porta-malas da viatura da PRF e lá dentro foi montada uma “câmara de gás”, com spray de pimenta e gás lacrimogêneo. Toda a ação foi gravada em vídeo por moradores da cidade.

O sobrinho da vítima Wallyson de Jesus, que presenciou a cena, disse ao G1 que o tio tinha um transtorno mental e ficou nervoso durante a abordagem depois que os policiais encontraram no bolso dele cartelas de medicamentos. 

As câmaras de gás

Durante o Holocausto, câmaras de gás foram projetadas como parte da política nazista de genocídio contra judeus. Os nazistas também tinham como alvos os ciganos, homossexuais, deficientes físicos e mentais, intelectuais e integrantes do clero. A estratégia foi usada para matar milhões de pessoas entre 1941 e 1945.

Outro lado

Em nota, a PRF afirmou que o homem teria “resistido ativamente” à abordagem. Os agentes, então, teriam utilizado “técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo” para conter a agressividade da vítima, que passou mal no caminho para a delegacia, segundo a corporação.

Na quinta-feira 26, a PRF disse que instaurou processo disciplinar para avaliar o caso, e os agentes envolvidos no caso foram afastados das atividades.

Brasil de Fato
Site de notícias e radioagência dedicados à cobertura das lutas sociais, e notícias sobre política, economia, direitos humanos e cultura, sob uma visão popular

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.