Sociedade

Luciano Hang é condenado a pagar multa milionária por assédio eleitoral na Havan

O empresário é acusado de ter coagido funcionários a participar de ‘atos cívicos’ pró-Bolsonaro nas eleições de 2018; cabe recurso

O empresário Luciano Hang. Foto: Reprodução/Lojas Havan
Apoie Siga-nos no

O empresário Luciano Hang e as lojas Havan foram condenados a pagar 85 milhões de reais por terem coagido funcionários a votar em Jair Bolsonaro, nas eleições de 2018

A ação, movida pelo Ministério Público do Trabalho, afirma que Hang realizou reuniões com os funcionários de suas lojas para questionar os votos deles a respeito do pleito, indicando que “dependendo do resultado presidencial, poderia demitir 15 mil pessoas”.

Na sentença, o juiz Carlos Alberto Pereira de Castro, da 7ª Vara do Trabalho de Florianópolis, afirma que o ato atenta contra os direitos fundamentais e políticos do empregado. 

“Ao dizer que poderia despedir os 15 mil empregados, este [Hang] termina a fala afirmando: “conto com cada um de vocês”, o que indica a intenção de ordenar o comportamento de votar em um candidato, o de sua predileção”, diz o documento. 

Além da indenização DE 85 milhões de reais, a decisão indica o pagamento de 1 milhão de reais por dano moral coletivo e mil reais por dano moral individual, para cada empregado da Havan com vínculo até o dia 1º de outubro de 2018.

No mesmo ano, a Justiça do Trabalho proibiu que o empresário realizasse pesquisas de intenção de voto entre os funcionários e, assim, a empresa afixasse uma cópia integral da decisão no mural de avisos dos funcionários em cada uma das lojas da rede.

Por descumprimento dessa liminar, o juiz determinou o acréscimo de 500 mil reais na multa para cada estabelecimento da Havan na época do caso. 

O processo segue em segredo de Justiça e cabe recurso da decisão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo