Política

Laudo balístico aponta que bolsonarista atirou três vezes contra Arruda, que revidou com treze tiros

O documento foi anexado nesta terça-feira 26 à investigação em curso sobre o assassinato do petista, morto durante sua festa de aniversário em Foz do Iguaçu

Marcelo Arruda e o seu assassino bolsonarista
Apoie Siga-nos no

Um laudo de confronto balístico do Instituto de Criminalística do Paraná mostra que Jorge Guaranho atirou três vezes contra o petista Marcelo Arruda, que revidou com trezes tiros.

O documento foi anexado nesta terça-feira 26 à investigação em curso sobre o assassinato do petista, morto pelo bolsonarista durante sua festa de aniversário.

O laudo foi feito após perícia em duas pistolas e projéteis encontrados na cena do crime. Um deles, segundo o documento, estava no peito da vítima.

O documento atesta ainda que Guaranho utilizou uma pistola semiautomática calibre .40, na qual foram encontrados 13 projéteis intactos. No armamento constava um brasão de República com a inscrição Departamento de Polícia Penal do Paraná (Deppen).

Já Arruda fez uso de uma pistola também semiautomática de calibre .380 com brasão da Guarda Municipal de Foz do Iguaçu.

Na sexta-feira 22, um laudo também anexado ao processo descartou que o assassino do petista tenha tido o carro atingido por pedras atiradas por Arruda, como constava no depoimento à polícia da mulher do agente penal. O documento atestou apenas resquícios de terra no carro do policial bolsonarista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo