Política

assine e leia

Marcelo Arruda/ Em pratos limpos

Ao denunciar bolsonarista, MP reconhece a motivação política do crime

Baleado pela vítima, Guaranho tornou-se réu e recebeu voz de prisão tão logo saiu da UTI - Imagem: Redes sociais
Apoie Siga-nos no

A Justiça acolheu a denúncia contra o agente penitenciário Jorge Guaranho, que assassinou a tiros o tesoureiro petista Marcelo Arruda, durante seu aniversário de 50 anos. Dessa forma, o atirador bolsonarista torna-se réu e passa a responder pelo crime de homicídio qualificado, cuja pena pode chegar a 30 anos de reclusão. Ao contrário do entendimento da delegada Camila Cecconello, que concluiu o inquérito em apenas cinco dias, o promotor Luís Marcelo Mafra reconheceu que o crime teve motivação política. Mas, por não ter como alvo uma instituição do Estado, o assassinato não pôde ser enquadrado como crime político. O homicídio recebeu apenas a qualificadora de “motivo fútil”.

Antes de apresentar a denúncia, Mafra criticou a “pressa” da Polícia Civil em concluir o inquérito antes do previsto e solicitou uma série de laudos periciais. Um dos mais aguardados é a análise do celular do atirador bolsonarista, cujas conversas em aplicativos de mensagens podem revelar “se ele recebeu alguma orientação específica” ou se tinha acesso às imagens de câmeras de segurança do local da festa. Além disso, o MP e a Polícia Civil investigam se o crime tem relação com o suicídio de Claudinei Coco Esquarcini, de 44 anos. Funcionário de Itaipu e diretor da associação onde ocorreu a festa, ele é apontado como o encarregado pela instalação do sistema de câmeras de vigilância no local do crime. O celular dele também foi apreendido e será analisado pelo Instituto de Criminalística.

Tragédia na Caixa

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo