Greve dos petroleiros é suspensa para negociações

A categoria afirmou que a greve será retomada caso não haja avanços na mediação feita pelo TST

Greve dos petroleiros. Foto: FUP.

Greve dos petroleiros. Foto: FUP.

Sociedade

Os petroleiros da Petrobrás decidiram, na noite desta quarta-feira 19, suspender a greve na estatal que já durava 19 dias. A decisão ocorreu, pois era uma condição para a abertura de um processo de negociação mediado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A primeira sessão acontece nesta sexta-feira 21, em Brasília e vai ser mediado também pelo Ministério Público do Trabalho.

O Conselho da Federação Única dos Petroleiros (FUP) afirmou que a greve será retomada caso não haja avanços na mediação feita pelo Tribunal. Em nota, eles elogiaram a paralisação, que barrou até o momento demissões em uma subsidiária da Petrobras no Paraná . “Conseguimos um canal de negociação que só foi possível por conta da força da greve, da ocupação de 30 dias em Araucária, da nossa permanência aqui na sede da Petrobrás desde 31 de janeiro, da vigília em frente ao prédio, dos atos e manifestações de apoio e solidariedade que aconteceram em todo o país”, diz a nota.

A categoria protesta contra demissões, contra a privatização de ativos da Petrobras e contra a política de preços dos combustíveis da estatal.”Na tarde desta quinta-feira (20) será realizado em São Paulo um grande ato em solidariedade aos petroleiros, em defesa da Petrobrás e da soberania nacional. A manifestação está sendo convocada pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, com concentração no vão do Masp, às 16h30″, anunciam os petroleiros.

A greve teve a participação de 21 mil trabalhadores em 121 unidades do Sistema Petrobras. Segundo a organização, foram afetadas 58 plataformas, 24 terminais, 11 refinarias, 8 campos terrestres, 8 termelétricas, 3 Unidades de  Tratamento de Gás (UTGs), 1 usina de biocombustível, 1 fábrica de fertilizantes, 1 usina de processamento de xisto, 2 unidades industriais e 3 bases administrativas.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem