Sociedade

Funcionários do Metrô também aderem a greve contra privatizações em São Paulo

Linhas ferroviárias e metroviárias vão paralisar as operações no dia 3 caso não haja acordo; funcionários da Sabesp também aderiram

Estação Sumaré da linha verde do metrô de São Paulo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

As linhas do Metrô de São Paulo suspenderão suas operações em 3 de outubro. A medida foi tomada após uma assembleia sindical, na qual os metroviários decidiram unir-se aos colaboradores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) nesta quarta-feira, dia 20.

Ambas as categorias protestam contra os planos do governo, liderados pelo governador Tarcísio de Freitas, de privatizar as linhas metroviárias e ferroviárias até 2025. As linhas em risco são a 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata. O governo está explorando várias opções para, segundo Tarcísio, “melhorar a situação financeira da estatal”, incluindo Parcerias Público-Privadas (PPP), sem descartar a possibilidade de uma venda total das linhas.

A CPTM e o Metrô unem-se aos funcionários da Sabesp, que também são alvo de um plano separado para a privatização e concessão pública do saneamento básico em São Paulo.

Até o momento, apenas as quatro linhas mencionadas confirmaram sua participação na paralisação. As linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade ainda não anunciaram sua adesão ao movimento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo