Educação

Piso salarial para quadro técnico e administrativo da educação básica avança na Câmara

A proposta define a remuneração em 75% do piso dos professores

O deputado Idilvan Alencar. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou uma proposta que fixa a remuneração mínima dos profissionais da área técnica e administrativa da educação básica em 75% do piso salarial dos professores. Em 2024, o montante para uma jornada de 40 horas semanais seria de 3.435,42 reais.

O relator é o deputado Idilvan Alencar (PDT-CE). O substitutivo aprovado estabelece que os valores serão atualizados anualmente, em janeiro, com base no índice utilizado para reajustar o piso dos professores.

“É mais adequado estabelecer o piso dos profissionais dos quadros de pessoal técnico e administrativo da educação básica pública como uma proporção do piso do magistério, assegurando que ambos sejam anualmente atualizados de acordo com os mesmos critérios”, argumentou o relator.

O projeto tramita em caráter conclusivo, ou seja, não terá de passar pelo plenário, a menos que um grupo de deputados apresente um requerimento para isso. Ainda têm de votar a matéria as comissões de Trabalho; de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça.

(Com informações da Agência Câmara)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo