Saúde

Prefeitura de SP cancela festa de réveillon e mantém obrigatoriedade de máscaras

A medida deve ser anunciada na manhã desta quinta-feira 2 pelo prefeito Ricardo Nunes

A Av. Paulista vazia em tempos de quarentena. Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas
A Av. Paulista vazia em tempos de quarentena. Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

A prefeitura de São Paulo optou por cancelar o tradicional evento que marca a virada do ano na cidade e manter a obrigatoriedade do uso de máscara por tempo indeterminado. 

A decisão será oficializada pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB) na manhã desta quinta-feira 2, segundo o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido. 

Nunes está nos Estados Unidos acompanhando o governador João Doria (PSDB).

O cancelamento do réveillon foi determinado após os resultados de estudo encomendado pela gestão municipal sobre as flexibilizações das medidas de combate ao coronavírus. 

A virada de ano na Avenida Paulista havia sido confirmada em novembro, considerando o “quadro epidemiológico da pandemia”. No entanto, os planos precisaram ser alterados após a confirmação de três casos da variante Ômicron no estado, dois na capital. 

A flexibilização do uso de máscaras em locais abertos também estava prevista para o dia 11 de dezembro, porém, a gestão municipal poderá revisar a medida com base no estudo encomendado. 

Outras 15 capitais do País anunciaram o cancelamento total ou parcial do réveillon: Aracaju, Belém, Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Florianópolis, Fortaleza, João Pessoa, Natal, Palmas, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Luís e Vitória.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!