Política

Ministro da Saúde dispensa coletiva e informa ações contra covid-19 por vídeo

Em gravação divulgada nesta segunda-feira 20, Nelson Teich declarou que estuda programa de afrouxamento progressivo do distanciamento social

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich. Foto: Reprodução
O novo ministro da Saúde, Nelson Teich. Foto: Reprodução

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, adotou um modelo de comunicação diferente em relação ao seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta. Se antes o Ministério da Saúde informava suas ações em combate ao coronavírus em coletivas de imprensa diárias, agora a pasta não realiza conversas com jornalistas desde a sexta-feira 17, quando o novo gestor entrou no comando.

Nesta segunda-feira 20, Teich optou por publicar um vídeo gravado em vez de se expor à imprensa. Procurado por CartaCapital, o Palácio do Planalto afirmou que as coletivas da Saúde “serão retomadas nos próximos dias” e que “os jornalistas serão avisados oportunamente”. O Ministério da Saúde, no entanto, ainda não informou publicamente sobre a data da próxima entrevista de Teich.

Em uma gravação de pouco mais de três minutos, o ministro da Saúde declarou que tem desenhado um programa de “saída progressiva, estruturada e planejada” das medidas de distanciamento social. Segundo Teich, a pasta revisa as restrições após aumentar a aquisição de testes, que antes era estimada em 24 milhões de exames e agora o número subiu para 46 milhões. Ele afirmou ainda que a ampliação dos diagnósticos foi possível com a assinatura de um contrato que permitirá o processamento de 30 mil exames por dia.

Além disso, o ministro informou a compra de 3,3 mil respiradores. Deste número, 1.150 devem ser entregues no mês de maio. Segundo ele, o valor desembolsado na obtenção dos aparelhos foi de 78 milhões de reais. “Essa combinação do diagnóstico, do tratamento e da preparação para a saída do distanciamento social, isso faz parte da estratégia da covid-19”, afirmou.

Mais cedo, o Ministério da Saúde errou a contagem de óbitos no Brasil e informou o dado incorreto de 383 vítimas fatais em 24 horas no país. A pasta corrigiu o levantamento e declarou que, em um dia, o país contabilizou, na verdade, 113 mortes por coronavírus. Em todo o território brasileiro, já foram 2.575 vidas perdidas em decorrência do coronavírus e 40.581 estão infectados pela doença.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!