Ministério da Saúde erra e Brasil tem 113 e não 383 mortes em 24h

Após corrigir dados, a pasta divulgou o total de 2.575 óbitos em decorrência do coronavírus, e 40.581 infectados no Brasil

Foto: Silvio AVILA/AFP

Foto: Silvio AVILA/AFP

Saúde

O Ministério da Saúde atualizou no fim da tarde desta segunda-feira 20 o número de casos e óbitos do coronavírus no Brasil, mas errou. Primeiramente, tinha divulgado que o país registrava 2.845 mortes para a covid-19, 383 nas últimas 24 horas – o que bateria um recorde até o momento. No entanto, o número de vítimas fatais em São Paulo tinha sido atualizado erroneamente: agora, a pasta divulga 2.575 vidas perdidas em decorrência do coronavírus, e 40.581 infectados pela doença no Brasil.

A região mais atingida é o Sudeste, que tem São Paulo na vanguarda do número de mortes e casos no país: são 14.580 pacientes e 1.037 mortes. Em segundo lugar, vem o Rio de Janeiro, com 4.899 casos e 422 mortes, seguido pelo Ceará, com 3.482 infectados e 198 óbitos.

O Nordeste é a segunda região mais atingida do País, e concentra 24,9% dos casos confirmados no Brasil. Em seguida, vem o Norte, com 4.109 infectados. O estado do Amazonas, que tem preocupações extras por conta do fluxo entre a capital Manaus e comunidades indígenas, registrou 2.160 casos e 185 mortes pela doença – a maior taxa a cada 100 mil habitantes até o momento.

Em seguida, vem o Sul, com 2.921 casos e 113 mortes – o estado mais atingido é Santa Catarina, apesar do Paraná ter mais mortes do que a região catarinense. Por último, o Centro-Oeste registrou, até o momento, 1627 casos e 54 óbitos, sendo a maioria no Distrito Federal.

Veja a tabela com os dados de todos os estados abaixo:

Para acompanhar minimamente o número de subnotificações da doença no Brasil, o Ministério também divulga quantos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) foram registrados no País. Até o momento, são 55.980 registros de pacientes com a SRAG, e, entre eles, 8.318 pacientes já foram diagnosticados com a covid-19. Mais de 42 mil casos ainda são investigados.

No registro de óbitos, 2.082 mortes entre 2.845 já tiveram os laudos finais concluídos que elas foram, de fato, acometidas pelo coronavírus.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem