Anvisa pede ao Instituto Butantan informações sobre doses de reforço

O órgão pretende coletar informações em torno da necessidade de doses adicionais das dosas administradas no País

Cabe à Anvisa a avaliação técnica das vacinas (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Cabe à Anvisa a avaliação técnica das vacinas (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Anvisa, solicitou ao Instituto Butantan, neste sábado 28, informações sobre o andamento dos estudos referentes a terceira dose da vacina Coronavac. 

Pedidos semelhantes foram feitos aos fabricantes da Janssen, da Pfizer e da Fiocruz, responsável pela produção nacional da AstraZeneca. 

Segundo a Anvisa, o objetivo é analisar o cenário quanto à necessidade ou não, de doses adicionais ou de revacinação das doses aprovada no Brasil. 

 

O órgão também informou que pediu que a Fiocruz agende uma reunião com os técnicos da agência para discutir dados disponíveis sobre a questão.

Nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde anunciou a aplicação das doses de reforço contra a Covid-19 para idosos acima de 70 anos e imunissuprimidos. A terceira dose utilizará o imunizante da Pfizer e começará a ser aplicada a partir de setembro. 

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que o instituto está apto a fornecer o reforço do imunizante da Coronavac para a população idosa.  

“O Butantan está preparado para, sim, fornecer a terceira dose”, afirmou o diretor.

Conforme Covas, além das doses destinadas para finalizar o contrato de 54 milhões de doses da vacina acordo com o Ministério da Saúde, outras 26 milhões estão em fase de processamento pelo Instituto Butantan. 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem