Saúde

Queiroga anuncia início de vacinação da terceira dose em idosos e imunossuprimidos

A aplicação da dose de reforço começará em 15 de setembro; intervalo entre doses da Pfizer e Astrazeneca deve diminuir

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou na noite de terça-feira 24 o início da vacinação da terceira dose do imunizante contra Covid-19 em idosos com mais de 80 anos e pessoas imunossuprimidas a partir de 15 de setembro.

A vacinação deve respeitar o intervalo de pelo menos seis meses entre a segunda e a terceira dose. O reforço será feito com a vacina da Pfizer.

O Ministério da Saúde prevê que até essa data, toda população com mais de 18 anos já terá recebido, pelo menos, a primeira dose dos imunizantes. O ministro também afirmou que a segunda dose está assegurada para toda a população.

A decisão veio depois de uma reunião com técnicos do Ministério da Saúde e representantes da OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde).

Queiroga anunciou também a redução do intervalo de aplicação das duas doses das vacinas Pfizer e Astrazeneca de 12 para 8 semanas. Esse é o intervalo determinado no Reino Unido.

“Temos uma quantidade boa de doses da Pfizer, da Astrezeneca também temos doses suficientes”, afirmou o ministro. No entanto, Queiroga ponderou que o adiantamento das doses da Astrazeneca depende da chegada dos insumos produzidos na China.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!