Política

Weintraub leva multa de R$ 2 mil por não usar máscara em protesto

O ministro da Educação compareceu em manifestação pró-Bolsonaro e causou aglomeração

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi multado nesta segunda-feira 15 pelo governo do Distrito Federal por desobedecer o decreto que determina o uso obrigatório de máscaras em vias públicas de Brasília.

Weintraub compareceu no último domingo a um protesto na capital organizado por apoiadores de Jair Bolsonaro. Além de não utilizar proteção no rosto, o ministro causou aglomerações.

O chefe da pasta de Educação será multado em R$ 2 mil por desobedecer as determinações da lei, valor máximo da punição.  O Código Penal também prevê detenção de um mês a um ano, e multa, para quem infringir a determinação do poder público “destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa.

O decreto foi publicado em maio pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). O uso é obrigatório em todas as vias e espaços públicos, transportes públicos coletivos, estabelecimentos comerciais, industriais e espaços de prestação de serviço.

O chefe da Educação visitou os manifestantes um dia após o governo do Distrito Federal desmantelar o acampamento dos “300 pelo Brasil”. Na noite de sábado 13, um grupo simulou bombardeio no prédio do STF com o lançamento de fogos de artifício.

CartaCapital entrou em contato com a assessoria da pasta e aguardava um posicionamento até a publicação desta reportagem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo