…

Vox Populi: Aécio sobe, mas Dilma ainda venceria no primeiro turno

Política

A nova rodada da pesquisa Vox Populi / CartaCapital sobre as eleições presidenciais mostra que a intenção de voto no candidato do PSDB, o senador Aécio Neves (MG), teve uma alta de cinco pontos porcentuais em dois meses, enquanto a presidenta Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, e o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), permanecem no mesmo patamar.

Assim como no último levantamento, publicado em 16 de abril, Dilma segue em primeiro lugar na pesquisa estimulada (na qual o nome dos candidatos é apresentado), com os mesmos 40% de intenção de voto. Aécio Neves continua em segundo lugar, mas com 21% dos votos –e não mais 16%. Eduardo Campos também segue estagnado, com 8%, assim como o pastor Everaldo (PSC), que tinha 2% em abril e tem os mesmos 2% em junho. Pela primeira vez, José Maria (PSTU) pontuou na pesquisa Vox Populi / CartaCapital e aparece com 1%.

Os demais candidatos apresentados aos eleitores, Randolfe Rodrigues (PSOL), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Eduardo Jorge (PV), Mauro Iasi (PCB) e Denise Abreu (PTN), não chegaram a 1% dos votos.

Entre abril e junho, o número de eleitores indecisos caiu de 18% para 14% e o número de votos brancos e nulos variou de 15% para 14%

Como a diferença entre a intenção de voto em Dilma (40%) e a soma dos demais candidatos (32%) supera a margem de erro da pesquisa (2,1 pontos porcentuais), é possível dizer que, se a eleição fosse hoje, ela seria reeleita no primeiro turno.

Para a pesquisa, registrada na Justiça Eleitoral e protocolada sob o número BR-00156/2014, foram entrevistadas 2,2 mil eleitores em 161 municípios nos dias 31 de maio e 1º de junho. Mais detalhes do levantamento estarão disponíveis na edição 804 de CartaCapital, que começa a circular nesta sexta-feira 13.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem