“Vitória de Bolsonaro foi roubada pelo uso de fake news”, diz Lula 

Em sua primeira entrevista após sair da prisão, Lula avalia que o PT deveria ter protestado mais na vitória do ex-capitão

Ex-presidente Lula. Foto: Leo MALAFAIA / FOLHA DE PERNAMBUCO / AFP

Ex-presidente Lula. Foto: Leo MALAFAIA / FOLHA DE PERNAMBUCO / AFP

Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta quarta-feira 20, que a vitória do presidente Jair Bolsonaro foi ilícita pelo uso de fake news nas eleições de 2018. “Vocês sabem que sou um cara que perdi muitas eleições, e quando perco aceito o resultado. Mas acho que o PT deveria ter protestado mais na vitória do Bolsonaro, que foi ilícita, foi um roubo aquela indústria das fake news“, justificou o petista.

Lula, no entanto, não é a favor de um processo de impeachment de Bolsonaro. “Ele tem três anos de mandato, não cometeu crime de responsabilidade. Mas não me peçam paciência nem com Bolsonaro, nem com [Sérgio] Moro e nem [Deltan] Dallagnol. Não é crime querer justiça. Quero recuperar o respeito que ganhei na sociedade brasileira durante a minha vida”, ressaltou.

O ex-presidente, que está em liberdade há duas semanas, concedeu a primeira entrevista fora da cadeia para o jornalista Fernando Morais, da rádio Nocaute. Lula ressaltou que ainda não está inocentado e que espera que o STF anule o processo que o condenou a 12 anos de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro,  julgado pelo ex-juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça de Bolsonaro.

“E o grande processo da minha vida é a anulação. Por que embora não tenha saído com espírito de vingança, mas de justiça, quero provar ao País que quem montou uma quadrilha foi o Moro e o Dallagnol. Como sou cidadão que respeita as instituições, acho que elas têm que cuidar para que não surjam mentirosos e canalhas como Dallagnol”, disse.

Sobre nomes como Marta Suplicy e Ciro Gomes, o petista elogiou a atuação de ambos e disse que é grato pelo trabalho que fizeram em seu governo. “Tenho respeito pelas pessoas, fico sempre pesando as ofensas que o Ciro Gomes faz e as coisas que ele fez no meu governo. E prefiro ficar com as coisas boas. Dizem que ele é destemperado, eu não preciso ficar com isso, eu sou grato por ele.”

O ex-presidente, no entanto, respondeu aos recentes ataques que Ciro fez contra ele e o PT. “O Ciro não é o homem do debate político, ele é o homem de uma verdade só, que é a dele, não dá pro parlamento. Não quis. Agora, no segundo turno do [Fernando] Haddad, ele foi embora pra França. Fomos nós que criamos caso? Ele escolheu ir pra Paris no segundo turno e xingar o povo que votou no Haddad e não nele.”

Lula disse ainda que não tem raiva, apenas quer justiça. “Um cara com 74 anos apaixonado fica pronto pra guerra. Em qualquer nível, qualquer guerra (risos). Eu tô bem, tô bem na política, tô bem no meu namoro, no meu futuro. Sou um cara que pensa grande, quem pensa pequeno morre cedo”, falou o ex-presidente, acrescentando: “Não fale que tenho raiva. Eu grito por causa da eloquência. Quem pensar que eu tenho raiva, vai morrer de raiva, porque eu não tenho raiva. Eu tenho senso de justiça.”

Assista a entrevista completa:

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem