Política

Vereador bolsonarista tem mandato cassado por acusação de furto de energia

Edvaldo ‘Estância Luana’, em segundo mandato, foi eleito para o cargo em 2016

O vereador Edvaldo 'Estância Luana' (Patriota), da Câmara Municipal de Cianorte (PR). Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O vereador bolsonarista Edvaldo Matias de Oliveira (Patriota), do município de Cianorte (PR), teve o mandato cassado por conta de uma denúncia de furto de energia elétrica, prática que teria ocorrido em 2014.

A denúncia contra o parlamentar, conhecido como Edvaldo “Estância Luana”, foi apresentada pelo Partido Verde, com base na acusação de quebra de decoro parlamentar.

Eleito pela primeira vez em 2016, Edvaldo não era vereador quando teria cometido o furto, através de um “gato”. Porém, segundo a denúncia, o parlamentar teria confessado o crime ao Ministério Público em 2022.

Dos 10 vereadores da Câmara Municipal, seis votaram a favor de sua cassação.

Edvaldo era alvo de processo, também, por suposto desrespeito a servidores públicos em uma Unidade de Pronto-Atendimento durante a pandemia. Porém, ele foi absolvido.

A reportagem não conseguiu localizar a assessoria do vereador.

Em suas redes sociais, o parlamentar se apresenta aos eleitores como “o seu fiscal”, com vídeos em que diz fiscalizar obras e problemas do município.

Além disso, há fotos em campanha para o então candidato a reeleição Jair Bolsonaro (PL), em 2022.

Após o 2º turno, ele publicou vídeos em apoio a protestos em uma rodovia de Cianorte. Em legendas, fez menção a Bolsonaro e escreveu dizeres como “que prevaleça Ordem & Progresso” e “revolta”.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo