CartaExpressa

Senadores vão pressionar Aras e Lira a encaminharem ações contra Bolsonaro

A criação de um observatório visa ainda monitorar as ações do Ministério Público nos Estados contra os investigados sem foro

FOTO: WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO
FOTO: WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO

Senadores que integram a cúpula da CPI da Covid planejam criar um ‘observatório da pandemia’ após encerrar os trabalhos da comissão. O objetivo, conforme registra O Estado de S. Paulo, seria pressionar o procurador-geral da República, Augusto Aras, e o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), a encaminharem ações contra Jair Bolsonaro.

A medida pretende impedir uma possível blindagem do PGR ao presidente. Aras já barrou ações que tratam de temas incluídos no pedido de indiciamento de Bolsonaro, como o não uso de máscaras e as aglomerações. Caso o procurador não encaminhe as acusações, senadores também devem levá-las a diretamente ao Supremo Tribunal Federal. A iniciativa é prevista quando há inércia do órgão que deveria fazer a denúncia.

O observatório também quer acompanhar o andamento da abertura do processo de impeachment na Câmara, já que foram imputados ao presidente dois crimes de responsabilidade, que podem resultar na cassação política do ex-capitão. O impedimento, no entanto, precisa do aval de Lira, que já tem mais de 100 pedidos com teor semelhantes engavetados desde que assumiu o cargo.

A criação do observatório, segundo apurou o jornal, deve monitorar as ações do Ministério Público nos Estados contra os investigados sem foro, como empresários e médicos. É o caso, por exemplo, de Luciano Hang, Carlos Wizard, e Nise Yamaguchi, incluídos na lista final de pedidos de indiciamento.

Ao todo, o relatório final, que ainda será votado no dia 26 de outubro, pediu o indiciamento de 66 pessoas e duas empresas. Foram identificados, segundo o documento, 20 tipos penais de supostos crimes cometidos pelos 68 acusados.

Na lista estão, além do presidente, seus três filhos; os ministros Marcelo Queiroga, Onyx Lorenzoni e Walter Braga Netto; o ex-ministro Eduardo Pazuello; e dezenas de outros integrantes e ex-integrantes do alto escalão do governo federal. Empresários e médicos do gabinete paralelo também constam no pedido de indiciamento, além de blogueiros e jornalistas responsáveis por espalharem fake news sobre a pandemia. O observatório pretende acompanhar as ações que serão tomadas contra os acusados.

 

(Com informações da Agência Estadão Conteúdo)

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!