CartaExpressa

Bolsonaro é genocida? Senador explica retirada do crime do relatório da CPI da Covid

Em vez de homicídio e genocídio, o presidente deve responder pelos crimes contra a humanidade e de epidemia com resultado morte

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O senador Rogério Carvalho (PT-SE), membro suplente da CPI da Covid, defendeu na quarta-feira 20 a retirada dos crimes de genocídio e homicídio das imputações ao presidente Jair Bolsonaro no relatório final da comissão.

Em entrevista ao Direto da Redação, boletim de notícias no canal de CartaCapital no Youtube, o parlamentar explicou os motivos que levaram a maioria dos membros da CPI recuarem.

De acordo com Carvalho, os crimes que foram atribuídos a Bolsonaro são mais consistentes do que os dois que foram suprimidos do texto do relator Renan Calheiros (MDB-AL).

Em vez de homicídio e genocídio, segundo a CPI, o presidente cometeu crimes contra a humanidade e de epidemia com resultado morte.

“No caso do genocídio era preciso ter mais elementos para que chegássemos à comprovação do crime. Já para os crimes contra a humanidade temos elementos suficientes, já que ele foi enquadrado nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, que podem dar de 30 anos de detenção a prisão perpétua. São crimes tão gravosos quanto o de genocídio”, disse o senador a CartaCapital.

‘Tecnicamente, para vincular homicídio a uma pessoa é preciso que tenha uma ação direta. Nesse caso, o crime de epidemia com resultado morte é mais robusto em relação à atuação do presidente, pois ele trabalhou para ampliar o contágio e materializar a tese que ele construiu da imunidade de rebanho”, acrescentou. “Ele disse que era uma gripezinha, aglomerou, defendeu uso de medicamentos ineficazes. Tem material robusto sobre isso. Ele é um réu confesso nessa questão, pois promoveu a epidemia e causou morte”.

Para Carvalho, a substituição permitiu que a tipificação ficasse “precisa e robusta” e contribuirá para que, quem for analisar o documento, ” possa dar tirar proveito do trabalho feito pela CPI”.

Na conversa, o membro da comissão ainda indicou que, até o dia da votação, o relatório pode ganhar alguns acréscimos.

Assista ao programa na íntegra:

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar