Mundo

Senado prepara audiência com opositora de Maduro sobre a eleição na Venezuela

A Comissão de Relações Exteriores aprovou o requerimento nesta quinta. A ideia partiu de Esperidião Amin, Hamilton Mourão e Sergio Moro

Maria Corina Machado, uma das lideranças da oposição a Nicolás Maduro na Venezuela. Foto: Federico Parra/AFP
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou nesta quinta-feira 18 a realização de uma audiência púbica com a presença de María Corina Machado, líder da oposição na Venezuela. O requerimento partiu dos senadores Esperidião Amin (PP-SC), Hamilton Mourão (Republicanos-RS) e Sergio Moro (União-PR). A data da reunião ainda não está definida.

O trio defende ouvir Machado sobre os motivos pelos quais ela e sua aliada Corina Yoris foram impedidas de disputar a eleição presidencial marcada para 28 de julho.

No fim de março, o presidente Lula (PT) classificou como “grave” o fato de que Yoris não conseguiu registrar sua candidatura. Ela seria apoiada por Machado, inabilitada a exercer cargos públicos por 15 anos. A Plataforma Unitária Democrática decidiu, então, indicar “provisoriamente” González Urrutia, devido à “clara impossibilidade de inscrever até o momento a candidatura eleita”.

Dias antes da declaração de Lula, o Itamaraty afirmou acompanhar com “expectativa e preocupação” o processo eleitoral na Venezuela e avaliou que o impedimento à candidatura de Yoris “não foi, até o momento, objeto de qualquer explicação oficial”.

O chanceler venezuelano, Yvan Gil, reagiu com uma nota de repúdio ao comunicado, classificado por ele de “cinzento e intervencionista, redigido por funcionários da chancelaria brasileira, que parece ter sido ditado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos”. Segundo Gil, o texto apresenta “comentários carregados de profundo desconhecimento e ignorância sobre a realidade política na Venezuela”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo