Mundo

Maduro manda fechar sedes diplomáticas da Venezuela no Equador após ataque à embaixada mexicana

A polícia invadiu a representação mexicana em Quito para prender o ex-vice-presidente do Equador Jorge Glas

Maduro poupou Lula, mas reclamou do Itamaraty – Imagem: Federico Parra/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, determinou nesta terça-feira 16 o fechamento da sede diplomática de seu país no Equador depois de a polícia equatoriana atacar a embaixada mexicana em Quito para prender o ex-vice-presidente do Equador Jorge Glas, que se refugiava ali.

“Ordenei fechar a nossa embaixada no Equador, fechar o consulado em Quito, fechar o consulado em Guayaquil e que o pessoal diplomático retorne imediatamente à Venezuela até que o direito internacional seja expressamente restaurado no Equador”, disse Maduro.

A declaração foi proferida em uma cúpula virtual da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), cuja presidência temporária é exercida por Honduras.

O governante socialista exige que o Equador entregue Glas ao México. 

A operação policial para capturar Glas, na noite de 5 de abril, horas depois de o México lhe ter concedido asilo político, foi condenada por trinta países e organizações mundiais e regionais como as Nações Unidas e a Organização dos Estados Americanos (OEA).

Glas refugiou-se na embaixada mexicana em dezembro passado, antes de o tribunal emitir uma ordem de prisão por acusações de corrupção durante o seu mandato como braço direito do ex-presidente Rafael Correa.

O governo equatoriano solicitou autorização para entrar na sede diplomática e detê-lo, mas o México recusou.

Maduro criticou o presidente do Equador, Daniel Noboa, por defender o ataque.

“As declarações que o presidente Noboa deu são mais do que um ato de provocação contra o México, são um ato de provocação contra o direito internacional e um desprezo absoluto por todo o marco jurídico”, disse Maduro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo