Mundo

EUA retomam sanções petroleiras contra a Venezuela por bloqueio eleitoral da oposição

Washington levantou as sanções ao setor energético e ao ouro venezuelano em outubro de 2023. A licença estadunidense se encerra nesta quinta-feira

O presidente dos EUA, Joe Biden. Foto: Jim Watson/AFP
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos não vão renovar a licença 44, que alivia as sanções ao petróleo e ao gás da Venezuela, quando expirar, na quinta-feira, porque o governo impede que os opositores se registrem para disputar as eleições e reprime ativistas, anunciaram funcionários americanos nesta quarta-feira 17.

O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA (OFAC) “substituirá” esta licença por outra que permitirá a liquidação das transações pendentes “antes de 31 de maio”, destacou uma funcionária americana, que pediu para ter sua identidade preservada.

Ela explicou que Washington pode emitir “licenças específicas” a pedido das companhias, que avaliará “caso a caso”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo