Política

Senado adia votação e minirreforma eleitoral não valerá para 2024

Conforme a Constituição, as regras não podem ser alteradas a menos de um ano do pleito

O senador Marcelo Castro (MDB-PI). Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O Senado adiou a votação da minirreforma eleitoral, o que inviabilizará a aplicação das mudanças nas eleições municipais de 2024. A decisão foi anunciada pelo senador Marcelo Castro (MDB-PI), definido como o futuro relator da proposta. A designação ainda não foi formalizada.

Para valer no pleito do ano que vem, a matéria teria de ser aprovada pelo Senado e sancionada pelo presidente Lula (PT) até esta sexta-feira 6, uma vez que a próxima eleição ocorrerá em 6 de outubro de 2024.

Conforme a Constituição, as regras não podem ser alteradas a menos de um ano da votação.

“A minirreforma eleitoral não será votada pelo Senado nesta semana, o que inviabiliza sua aplicação para as eleições de 2024. O Senado preferiu se dedicar com mais profundidade ao Código Eleitoral, já sob minha relatoria, e fazer uma reforma eleitoral mais ampla e consistente”, escreveu Castro no X.

A minirreforma eleitoral já foi aprovada pela Câmara dos Deputados por meio de dois textos: um projeto de lei e um projeto de lei complementar. Conforme mostrou CartaCapital, diversos itens recebem críticas de movimentos sociais. Um trecho que motivou discussão e acabou derrubado tratava a cassação como pena alternativa para a compra de votos.

Alguns dos principais dispositivos mantidos determinam as seguintes mudanças:

  • o enxugamento do período de inelegibilidade;
  • o cumprimento das cotas de gênero por meio da federação, e não mais por meio do partido;
  • a possibilidade de uso do dinheiro de campanhas femininas para despesas comuns com outros candidatos, inclusive propaganda, desde que haja benefício para a candidatura feminina;
  • o fim das prestações de contas parciais durante a campanha;
  • a ampliação do rol de vítimas de violência política contra a mulher;
  • a legalização da doação via Pix;
  • a autorização do uso de recursos públicos para o pagamento de despesas pessoais e para a compra de veículos, embarcações e aeronaves;
  • a antecipação das datas de convenção e registro de candidaturas, para dar mais tempo de julgamento pela Justiça Eleitoral.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo